E a Vale não se emenda
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

E a Vale não se emenda

A Vale está perdendo muito dinheiro no mercado depois do ominoso arrombamento da barragem de Brumadinho, mas afastou e substituiu presidente do "Mariana nunca mais" provisoriamente

José Nêumanne

04 de março de 2019 | 13h12

Barbolomeo, que trabalhou na Vale com Agnelli, Ferreira Schvarsmann , é presidente interino da Vale. Foto: Divulgação

Depois que perdeu 26,2% de seu valor patrimonial no mercado e de receber recomendação do MP para afastar o presidente, Fábio Schvartsmann, toda a diretoria e mais alguns executivos comprometidos com o arrombamento da represa de rejeitos minerais do Córrego do Feijão em Brumadinho, a Vale mostrou que nada altera sua postura altiva, arrogante e gananciosa. Aceitou um pedido de afastamento provisório do chefão e mais três diretores e nomeou para substituir o número um na hierarquia o executivo Eduardo de Salles Bartolomeu, que atua na empresa nas três últimas gestões, sob Roger Agnelli e Murilo Ferreira, tendo o segundo protagonizado arrombamento anterior, em Mariana.

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

 

 

 

 

Assuntos para o comentário da segunda-feira 4 de fevereiro de 2019

 

1 – Você reputa como suficiente o afastamento do presidente e de três diretores da Vale para puni-los pela responsabilidade pelo arrombamento da represa de rejeitos minerais da empresa no Córrego do Feijão em Brumadinho, Minas Gerais?

 

2 – O governo Bolsonaro agiu bem ou mal ao criar entraves para a obrigatoriedade da contribuição sindical, extinta na reforma trabalhista, relatada por Rogério Marinho, hoje membro da equipe de Paulo Guedes no Ministério da Economia?

 

3 – Lula fez bem ou mal em descumprir o acordo feito com a PF, o MPFe o Judiciário de evitar pronunciamentos políticos e divulgar via interlocutores sua teoria de que o neto Artur, que morreu de meningite meningocócica, teria sofrido bullying na escola por causa da “injusta” perseguição ao avô pelas elites adversárias?

 

4 – Telefonar para o avô comovido no velório do neto, levando-o aos prantos e ele mesmo chorando foi uma atitude humanista defensável do ministro Gilmar Mendes no momento do velório do menino Artur, filho de Sandro Lula?

 

5 – O que revela a enxurrada de mensagens agressivas de parte a parte nas chamadas redes sociais a respeito da presença do ex-presidente petista no velório do neto?

 

6 – É possível o governo obter apoio da população a ponto de vencer a resistência no Congresso depois de a opinião pública tomar conhecimento dos privilégios relatados na reportagem de José Fucs no Estadão de ontem?

 

7 – O que a entrevista do historiador Timothy Snyder, da Universidade americana de Yale, tem a ensinar às autoridades brasileiras que assumiram o poder e têm manifestado simpatia inédita na historia à política nos Estados Unidos?

 

8 – O ministro Edson Fachin vai dar por encerrada a instrução do julgamento do STF sobre as delações premiadas dos irmãos Batista e outros figurões da JBS. Por que motivo isso demorou tanto e a que conclusão você acha que chegará?