E a tortura continua
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

E a tortura continua

Justiça Global queixa-se à ONU da exoneração de peritos da burocracia do MP e do governo federal exonerados por Bolsonaro, mas nada se faz para por fim à rotina da violência em nossas delegacias e presídios

José Nêumanne

12 de junho de 2019 | 06h57

Superpopulação presidiária no Brasil é cenário perfeito para torturas, que militantes dos direitos humanos fingem não ver, preferindo denunciar em vez de combater. Foto: Luiz Silveira/Agência CNJ

Ativistas brasileiros foram à ONU queixar-se do presidente Jair Bolsonaro por ele ter exonerado sete peritos do Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, do Ministério Público e do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. No mundo real, a ONU é uma instância que de tudo reclama e nada resolve. Em prisões ou delegacias de polícia no Brasil a tortura é uma prática de rituba contra a qual nenhum desses peritos jamais fez algo de útil. Ou seja, pobres torturados não têm quem os defenda. Este é meu comentário no Estadão Notícias, no Portal do Estadão desde 6 horas da quarta-feira 12 de junho de 2019.

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no player

Substituí a foto usada anteriormente, genérica, por esta para responder às críticas recebidas pelo critério editorial anterior. Peço desculpas e espero satisfazer até aos mais exigentes, pois a foto que agora uso é bela e reveladora.