Dona Marisa, a tia pródiga
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Dona Marisa, a tia pródiga

Depoimento do pretenso dono do sítio atribuído pelo MPF a Lula em Atibaia, Bittar, deixou questões que só ex pode responder hoje: o custo da reforma bancada por empreiteiras, de R$ 1,2 milhões, e por que pagaram

José Nêumanne

14 Novembro 2018 | 07h00

É, no mínimo, inverossímil versão de Bittar de que é dono do sítio que MPF atribui a Lula e, ainda assim, “tia” Marisa é que pagaria reforma de R$ 1,2 milhão. Fot: Márcio Fernandes/Estadão

Pelo depoimento dado há dois dias por Fernando, filho do amigão de Lula, Jacob Bittar, perante a mesma juíza Gabriela Hardt, substituta de Sérgio Moro na 13.ª Vara Federal de Curitiba, pode ser que o presidiário mais famoso do País venha a ter dificuldade para ter de explicar alguns detalhes da versão que sua defesa apresenta em juízo. Lula e Bittar juram de pés juntos que o dono do sítio Santa Bárbara, em Atibaia, não é o ex, e, sim, o rapaz. Mas este escorregou feio no depoimento. Ele tinha de definir mais de R$ 1 milhão gasto nas reformas como “simples” e “superdimensionadas”? E que tal a versão de que em seu sítio ele achava que “tia Marisa” é que pagaria obras que ela dirigia? Este é meu comentário no Estadão Notícias, no Portal do Estadão desde 6 horas da quarta-feira 14 de novembro de 2018.

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no player

Para ouvir depoimento de Fernando Bittar em juízo na íntegra clique aqui e, em seguida, no play