As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Deixa de ser cínico, Levy

Levy negou existência de caixa preta do BNDES, mas não justificou empréstimos de pai para filho e sem garantias dados a empreiteiras corrupteiras como Odebrecht para pagar propinas a agentes públicos

José Nêumanne

27 de junho de 2019 | 16h17

Levy foi à CPI do BNDES repetir o que todos os ex-dirigentes do banco público dizem – que não há caixa preta -, mas como eles não explicou empréstimos sem garantias a juros a custo de banana. Foto: André Dusek/Estadão

O cúmulo do cinismo foi o ex-presidente do BNDES, Joaquim Levy, ir à CPI do banco estatal para dizer que não há caixa preta com transações ilícitas e suspeitas no Brasil e no exterior. Tá tudo muito bom, tá tudo bem. Mas conta aí, doutor: como explicar o empréstimo de R$ 7 bilhões à empreiteira corrupteira Odebrecht sem garantia nenhuma? Como justificar o calote de R$ 2,2 bilhões da Venezuela e a inadimplência de dívida semelhante de Cuba? Agora o banco, que serve para tomar dinheiro do trabalhador para dar a juros de bananas e sem garantias a empresário que compra políticos e partidos com propinas, sequer reage à decisão rápida e pra lá de estranha do juiz da 1.ª Vara de Falência de São Paulo, João de Oliveira Rodrigues Filho, que, um dia após pedido da corrupteira,  transferiu a dívida direto pro bolso sem fundo do cidadão? Direto ao assunto. Inté. E só a verdade nos salvará.

Para ver o vídeo no YouTube clique aqui

Tendências: