Crônica do naufrágio do Titanic

Crônica do naufrágio do Titanic

A semana começa com o desembarque do PMDB do Titanic e o mau cheiro das tentativas de por fogo na Lava Jato

José Nêumanne

28 de março de 2016 | 16h05

Comandante do Dilmanic, almirante Jaquinho Finório

Comandante do Dilmanic, almirante Jaquinho Finório

A semana começa com duas expectativas. Uma, positiva. Outra, negativa. Como costumo fazer antes de dar uma notícia boa e outra má, sempre começo pela boa, que é a perspectiva do desembarque do PMDB do transatlântico do desgoverno, que naufraga. Nunca fui daqueles que contam com o ovo no fiofó da galinha, até porque sou um repórter às antigas e aprendi com mestre JB Lemos que jornalista só lida com o que já aconteceu. Quem se meter a usar bola de cristal, que a jogue no lixo. Ou mande pro conserto. As perspectivas são boas de que o principal aliado da desventurada desgestão petista de Dona Dilama (apud Edgardo Pires Ferreira) abandone o barco a tempo de levar com ele muita carga para a praia que se descortinará à vista em breve. Será a crônica do naufrágio anunciado do Titanic a ser afundado pelo impeachment. A má é de que há um cheiro esquisito de queimado na mesma atmosfera sobre a Lava Jato. Que Deus resguarde nossos direitos e nossos melhores sonhos, confirmando a brisa de mudança que sobra e afastando para longe os miasmas ameaçadores. E o lema por enquanto é Impeachment já e Lava Jato até o fim. Tenha uma segunda fecunda e, se Deus quiser, uma semana bacana.

Abraço do Zé da Neuma, como me chamava Zé Rodrix, ou melhor, o Zé da Roda.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.