Crimes de Temer

Crimes de Temer

Entrega de propina da JBS a emissário de Temer o incrimina muito mais do que o que ele não disse

José Nêumanne

19 de maio de 2017 | 12h13

Temer usou tom decidido e incisivo, mas nada justificou até agora Foto: Evaristo Sá/AFP

Só se discute a gravação da conversa de Temer com Joesley Batista, da JBS. Poucos falam das imagens da entrega da propina por um diretor da JBS a um emissário do presidente na pizzaria Camelo, em São Paulo. Há quem, na boa intenção de tirar o Brasil do atoleiro da crise econômica, omita a ação programada, cujo resultado é fatal para as boas reputações de Temer e Aécio. No áudio divulgado, Joesley falava e Temer mais ouvia do que respondia. Só que mais grave é a conversa: falar daquilo com aquele interlocutor, naquele lugar e àquela hora é muito mais grave do que o teor do papo, após o qual, aliás, o presidente não determinou nenhuma ação oficial de apoio ao combate à corrupção.

(Comentário no Jornal Eldorado da Rádio Eldorado – FM 107,3 – na sexta-feira 19 de maio de 2017, às 7h40m)

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

Para ouvir Me dê motivo, com Tim Maia, clique aqui

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.