Cotada para ministério jurada de morte

Reação de Bolsonaro ao saber de Ludmilla que ela tinha sofrido ameaças de morte por fanáticos, presidente não se abalou, disse que faz parte do jogo e que ele mesmo também já foi ameaçado

José Nêumanne

16 de março de 2021 | 20h12

 

Sugerida por Lira, do Centrão, para mi.nistério, Ludmilla despertou ódio dos bolsonaristas a ponto de a ameaçarem de morte. Foto: Reprodução

Quando a médica Ludmila Hajjar contou a Bolsonaro que foi ameaçada de morte por estar cotada para o Ministério da Saúde, ele respondeu que isso “faz parte” de uma imagem política e que ele próprio a sofreu ataques iguais. Assim que se soube que ela havia se reunido com Bolsonaro para discutir sua eventual nomeação, as redes sociais bolsonaristas reagiram com especial virulência, atacando-a como se ela fosse inimiga deles e do Brasil. Por isso, a cardiologista recusou o convite, alegando que não houve “convergência” entre ela e Bolsonaro, pois  não mudou de ideia sobre a pandemia, ao contrário do que seus marqueteiros pretendem fazer o País acreditar. O presidente da Câmara, Arthur Lira, perdeu para os camisas pardas que idolatram o “mito” e conheceu a dimensão da loucura coletiva do gabinete do ódio.

Para ouvir comentário clique aqui e, em seguida, no play

 

Assuntos do comentário da terça-feira 16 de março de 2021

1 – Haisem – Ludmilla Hajjar, primeira médica convidada por Jair Bolsonaro para ministra da saúde, foi ameaçada de morte por fanáticos bolsonaristas por ter chamado Dilma Rousseff de “presidenta”. O que você acha de uma barbaridade como essa em pleno século 21 e no auge de uma pandemia sanitária que infelicita tantas famílias brasileiras

2 – Carolina – Médico pró-isolamento social será o quarto ministro da Saúde de Bolsonaro – Esta é a manchete de primeira página da edição impressa do Estadão desta terça-feira. O que você acha que poderá preservar a gestão desse profissional da interferência abusiva do chefe do governo, manifestada em relação a seus três antecessores

3 – Haisem – Corte de salário e jornada deve atingir desta vez três milhões – Este é o título de outra chamada no alto da primeira página do jornal hoje. Até quando você acha que esse tipo de expediente vai ser utilizado para evitar que haja quebradeira geral de empresas nesta pandemia

4 – Carolina – Rodada extra de auxílio vai pagar até 150 reais a maior grupo – É o título de mais uma chamada no alto da primeira página do Estadão que está circulando. Até que ponto essa quantia terá o condão de alimentar os brasileiros mais pobres neste momento difícil do enfrentamento da covid e da queda da atividade econômica

5 – Haisem – Países europeus suspendem uso da vacina de Oxford – Este é o título de outra chamada da primeira página do jornal de hoje. Que conseqüências essa providência poderá alterar a distribuição da maior parte das vacinas de nosso plano de imunização, que tem a mesma origem

6 – Carolina – Lula cafetinou o PT e prostituiu o Estado – Este é o título de seu artigo semanal no Blog do Nêumanne no Portal do Estadão. O que o motivou a usar metáfora tão pesada para criticar a decisão de higienizar a ficha suja política do ex-presidente tomada pelo relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.