Colisão de trens não foi fatalidade
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Colisão de trens não foi fatalidade

Rodrigo Assunção, maquinista da SuperVia, não foi vítima do acaso nem do destino, mas do conjunto de vícios e defeitos da Sucata Brasil, mesma origem das tragédias no museu, no Flamengo e nas represas de Minas

José Nêumanne

28 de fevereiro de 2019 | 19h45

O choque dos trens da Super/via na estação não foi obra do destino, mas produto de falha, que pode ser investigada. Foto: Ffábio Motta/Estadão

A colisão de trens da SuperVia no Rio foi um crime, do qual foi vítima o maquinista Rodrigo Assunção, esmagado na sucata Brasil. Como os incêndios do Museu Nacional e do CT do Flamengo, também no Rio, a queda do helicóptero no qual Ricardo Boechat morreu e o assassinato dos rios Doce pela Samarco e Paraopeba pela Vale não foram acidentes naturais, o choque dos comboios suburbanos na Estação de São Cristóvão,  perto da Quinta da Boa Vista, tem irresponsáveis culpados, que nos enchem a todos de vergonha e de medo, como disse o poeta baiano Fernando Coelho em entrevista no meu blog. Se gostou deste vídeo, por favor, dê um like, inscreva-se no meu canal, clique no sininho para ser avisado quando publicar os próximos e compartilhe-o no Twitter e no Facebook.  Direto ao assunto. Inté. E só a verdade nos salvará.

Para ver vídeo no YouTube clique aqui

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: