Coelho, político às antigas
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Coelho, político às antigas

Quando indicou líder de seu governo no Senado, Bolsonaro sabia que ele nunca teve nada que ver com a nova política nem com combate à corrupção, bandeiras que assumiu na campanha, mas pendurou na chapelaria do Congresso

José Nêumanne

20 de setembro de 2019 | 17h02

Esta amizade é antiga demais para ser abalada por uma mudança de governo rotineira na República: Renan, Jucá e Coelho, do MDB. Foto: André Dusek Estadão

O Senado está indignado com buscas e apreensões em gabinetes e casas dos Coelhos pai e filho, atribuindo-as a mera vingança de Moro e da Lava Jato, como se esses baluartes da mais velha política brasileira fossem puros e inocentes. O pai foi ministro de Dilma e é acusado de ter pegado com o filho R$ 5,5 milhões de propinas para favorecer empreiteiras na obra inacabada da transposição do rio São Francisco para o sertão. Se Bolsonaro não sabia de seu passado suspeito, não se informou direito. Se sabia e pensou que a PF não o investigaria, não conhece bem a história recente. Direto ao assunto. Inté. E só a verdade nos salvará.

Para ver vídeo no YouTube clique aqui

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: