Churrasquinho na laje
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Churrasquinho na laje

Oposição fez piquenique na Mesa do Senado e perdeu votação da reforma trabalhista por 50 a 26

José Nêumanne

12 Julho 2017 | 12h21

Fátima “Gópi” traça um bife no convescote das damas da esquerda na Mesa do Senado Foto: André Dusek/Estadão

O último capítulo da reforma trabalhista no Senado começou com tumulto. O presidente da Casa, Eunício Oliveira, interrompeu a sessão após as senadoras Gleisi Hoffmann (PT-RR), Fátima Bezerra (PT-RN), vulgo “Gópi”, comodamente instalada na cadeira do presidente, Gleisi Hoffmann (PT-PR), presidente nacional do PT, celular em punho, e Vanessa Graziotin (PCdoB-AM) ocuparem a Mesa Diretora. Ali ficaram por quase sete horas e a elas se juntaram Kátia Abreu (PMDB-TO), Regina Sousa (PT-PI) e Lídice da Mata (PSB-BA).. Nem em assembleia estudantil isso ocorre. Sob as ordens de Lindbergh Farias (PT-RJ) e inspiradas em Zé Dirceu (PT-SP), almoçaram no local como num churrasquinho na laje. Na hora do vamos ver, perderam por 50 a 26, um “capote”.

(Comentário no Jornal Eldorado da Rádio Eldorado – FM 107,3 – na quarta-feira 12 de julho de 2017, às 7h30m)

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

Para ouvir Você é doida demais, com Lindomar Castilho, clique aqui

 

 

Abaixo, íntegra da degravação do comentário:

 

 

 

 

 

Eldorado 12 de julho de 2017 Quarta-feira

Emanuel: O adiamento da votação da reforma trabalhista por sete horas com um grupo de mulheres da oposição ocupando a Mesa do Senado por sete horas é um protesto legítimo na democracia?

O último capítulo da reforma trabalhista no Senado começou com tumulto. O presidente da Casa, Eunício Oliveira, interrompeu a sessão após as senadoras Gleisi Hoffmann (PT-RR), Fátima Bezerra (PT-RN) e Vanessa Graziotin (PCdoB-AM) ocuparem a Mesa Diretora, local a ele destinado. Elas foram apoiadas por Regina Sousa (PT-PI) e Lídice da Mata (PSB-BA), além de outras senadoras da oposição. Houve bate-boca e tumulto no plenário da Casa. Eunício deixou o local por volta de 12h05, declarando que a votação da reforma trabalhista será retomada “quando a ditadura deixar”. Inicialmente, o presidente do Senado proibiu o acesso da imprensa e de assessores parlamentares ao plenário e determinou o apagar das luzes e o corte do som dos microfones. A maioria dos senadores da base deixou o local e a circulação no Salão Azul, do lado de fora do plenário, ficou restrita a assessores e jornalistas. Mesmo assim, as parlamentares se recusaram a sair. Elas conversavam,  gravavam vídeos para redes sociais e até almoçaram na mesa.

Meu artigo Instituições insultadas na página 2 do Estadão:

A série de insultos às instituições republicanas culminou ontem com o sequestro da Mesa do Senado por uma horda de bandalheiras – as senadoras Fátima Bezerra (PT-RN) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM,) à frente – para impedir a votação da reforma trabalhista. Ao mandar apagar as luzes do plenário, o presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE), fez a metáfora típica de membro do baixo clero num cargo do qual não está à altura.

Foto de André Dusek de Fátima Bezerra mostra que fizeram da mesa lembra churrasquinho na lage.

Nem centro acadêmico

Gleisi e Lindbergh Merval Pereira Zé Dirceu é que bolou. Para isso é que ele foi solto pela benemerência do STF com coleguinhas de convescote na promiscuidade geral brasileira em Brasília.

SONORA 1207 B EUNICIO

Emanuel: De qualquer maneira, a reforma trabalhista foi aprovadano plenário do Senado por 50 votos favoráveis e 26 contrários. Houve 1 abstenção em um quórum de 77 senadores. A oposição fez um bom negócio – tumultuou e levou goleada?

João Domingos*, O Estado de S.Paulo Erro grosseiro da oposição ajudou governo no Senado:

Agora, o projeto segue para a sanção presidencial.

A aprovação da reforma trabalhista é uma grande vitória política do governo Michel Temer que precisa dar mostras de força política em meio às acusações contra o presidente da República no próprio Congresso. Em pronunciamento após o fim da votação dos destaques, Temer exaltou o placar favorável e disse que a “expressiva maioria” mostra que a modernização trabalhista é uma “vitória do Brasil na luta contra o desemprego”. “A reforma preparará o mercado para as demandas do presente e exigências do futuro.”

Apesar da luta do governo para aprovar o projeto, não houve comemoração entre os 50 senadores que apoiaram a reforma. Por se tratar de um tema polêmico e com forte apelo popular, os parlamentares preferem não se pronunciar sobre o tema.

SONORA 1207 TEMER

João Domingos, Erro grosseiro da oposição ajuda governo ajudou governo no Senado: Temer deverá proclamar a vitória no Senado como uma vitória do governo. É provável que ganhe um pouco de força para enfrentar as pedreiras de seu dia a dia. Mas a aprovação da reforma trabalhista deve ser atribuída também à oposição e às senadoras que ocuparam a Mesa, porque deram um tiro no pé e viraram votos de indecisos a favor da reforma. O consolo para Temer é que, se o governo comete muitos erros, a oposição não fica atrás.

A nova lei altera mais de 100 pontos da CLT, e traz uma grande mudança na relação entre patrões e empregados. Entre as maiores modificações em relação à legislação atual estão a prevalência, em alguns casos, de acordos entre patrões e empregados sobre a lei, o fim da obrigatoriedade da contribuição sindical, obstáculos ao ajuizamento de ações trabalhistas, limites a decisões do Tribunal Superior do Trabalho (TST), possibilidade de parcelamento de férias em três períodos e flexibilização de contratos de trabalho.

Promessa de Temer para conseguir 2 votos dos parasitas sanguessugas das centrais sindicais transformam o gol num pênalti chutado na trave.

Afinal, as mudanças são consideradas essenciais pelo setor empresarial para melhorar o ambiente de negócios e dinamizar o mercado de trabalho.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse na madrugada desta quarta-feira, 12, que não vai votar nenhuma medida provisória que modifique o texto aprovado pelo Congresso sobre a reforma trabalhista.

“A Câmara não aceitará nenhuma mudança na lei. Qualquer MP não será reconhecida pela Casa”, afirmou Maia no Twitter.

Para conseguir o apoio da maioria dos senadores, o presidente Michel Temer prometeu a edição de uma MP para modificar alguns pontos da reforma, como a questão que envolve a não obrigatoriedade do imposto sindical.

O comentário, que vai de encontro com o acordo feito com Temer com parlamentares, acontece no momento em que Maia se distancia do Palácio do Planalto por conta da tramitação da denúncia contra o peemedebista na Câmara.

Após saber da mensagem publicada por Maia, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), também voltou a afirmar que não participou de nenhuma negociação em relação à MP. “Estou tranquilo sobre isso. Não tratei de MP e nenhum compromisso sobre mudanças no texto”, disse.

O que vai valer, afinal: a carta de Temer que Jucá leu ou a posição de Maia e Eunicio depois da vitória por capote.

Emanuel: A bancada do PSDB na Câmara dos Deputados vai liberar o voto dos 46 parlamentares da legenda na análise em plenário da admissibilidade da denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer pelo crime de corrupção passiva. Ou seja: o PSDB decidiu ficar em cima do muro?

Após uma reunião nesta terça-feira da bancada tucana, o líder Ricardo Tripoli (SP) avaliou que maioria do partido deve votar contra o governo no plenário. A decisão, porém, só será oficializada após a votação na CCJ.

GARGALHADA RABUGENTO

“O PSDB está dividido. Por isso, não há como fechar questão. Eu tenho convicção do meu voto pela admissibilidade da denúncia contra o presidente. Ninguém vai mudar minha convicção”, afirmou o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB-PB).

Segundo o placar do Estado, o PSDB contabiliza 15 votos a favor da admissibilidade da denúncia, 3 contra e 3 indecisos – 28 parlamentares não responderam. O cenário para Temer também é desfavorável na Comissão de Constituição de Justiça (CCJ). Integrante do PSDB na comissão, o deputado Jutahy Junior (BA) declarou ontem voto pela aceitação da denúncia.

Pronunciamento ridículo de Geraldo Alckmin o que dá pra rir dá pra chorar.

Emanuel: Ontem, a coluna Poder em jogo, de Lydia Medeiros, de O Globo registrou nota em que diz que o empresário do ramo de transportes Jacob Barata, preso há dez dias, na operação da Lava Jato no Rio já está negociando sua delação premiada e deverá entregar também prefeitos e vereadores de todo do estado. Era só o que faltava?

Vereadores!!! É o último estágio do dinheiro ilegal de campanha, da compra de voto diretamente do eleitor e não estava sendo investigado até agora. Jacob Barata, conhecido como o “Rei do Ônibus” na área de transporte público do Rio,  foi preso por ordem do juiz Marcelo Bretas, do Rio. A força-tarefa encontrou indícios de que o empresário pagou milhões de reais em propina para políticos do Rio. Esse é o destino do destino do caixa 2, a compra de votos diretamente do eleitor, prostituindo a democracia.
Ou seja dois recados:
Mais uma frente para acabar com a compr de votos, via vereadores.
E caixa 2 é fraudar a democracia!

Sérgio Cabral deu um piti dizendo que não tinha propina proporcional, mas caixa 2. Esse lero de caixa 2 é antigo demais. Vem do mensalão.

Ao vê-lo, lembrei-me de Cármen Lúcia dando um pito nos advogados no mensalão e também que no dia 31 de março, último, o Estadão publicou matéria onde o Luís Roberto Barroso afirma, muito bem, que o caixa 2 “frauda a democracia”.
Diz o ministro:
“O caixa 2 frauda a democracia, porque faz com que quem tem mais dinheiro tenha mais representatividade do que quem tem menos dinheiro. O caixa 2 frauda o sistema democrático, a representação popular”, criticou, ressaltando que a não declaração de doações tem se tornado uma “prática institucionalizada”. “Em meio a movimentações no Congresso Nacional para tentar anistiar punições para doação não declarada de campanha, Barroso ressaltou que, embora diferentes, “corrupção e caixa 2 são crimes, porque ambos desviam o dinheiro do lugar para onde deveria ir”.”
É mesmo ministros: temos de ficar de olho vivo nessas movimentações

SONORA Você é doida demais Lindomar Castilho

https://www.youtube.com/watch?v=I_zj9Yq-FQI

Mais conteúdo sobre:

José Nêumanne PintoDireto ao assuntoJornal EldoradoRádio EldoradoFM 107.3Emanuel BomfimSenado FederalVotação da Reforma TrabalhistaSequestro da Mesa DiretoraSenadora Fátima Bezerra (PT-RN)Senadora Vanessa Graziottin (PCdoB-AM)Senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR)Presidente Nacional do PTSenadora Kátia Agreu (PMDB-TO)Senadora Regina Sousa (PT-PI)Senadora Lídice da Mata (PSB-BA)Senador Lindbergh Farias (PT-RJ)Merval PereiraO GloboJosé Dirceu de Oliveira (PT-SP)Ex-Chefe da Casa Civil de LulaLuiz Inácio Lula da Silva (PT-SP)Ex-Presidente da RepúblicaSenador Eunício Oliveira (PMDB-CE) (Índio)Presidente do Senado50 Pró 26 Contra e 1 AbstençãoAndré DusekSucursal de BrasíliaO Estado de S. PauloMichel Temer (PMDB-SP)Presidente da RepúblicaCâmara dos DeputadosDeputado Rogério Marinho (PSDB-RN)Relator da Reforma Trabalhista na CâmaraSenador Ricardo Ferraço (PSDB-ES)Relator da reforma Trabalhista no SenadoSenador Romero Jucá (PMDB-AP)Líder do PMDB no SenadoConsolidação das Leis do Trabalho(CLT)Contribuição SindicalDeputado Rodrigo Maia (DEM-RJ)Presidente da Câmara dos DeputadosTribunal Superior do Trabalho (TST)PSDBMinistério Público Federal (MPF)Rodrigo Janot (Javou)Procurador-Geral da República (PGR)Comissão de Constituição e Justiça (CCJ)Acusação Contra Temer na CCJ da CâmaraDeputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG)Presidente da CCJ da CâmaraDeputado Sérgio Zveiter (PMDB-RJ)Relator da Acusação Contra Temer na CCJ da CâmaraEstado de São PauloGeraldo Alckmin (PSDB-SP)Governador do Estado de São PauloDeputado Ricardo Tripoli (PSDB-SP)Líder da Bancada do PSDB na Câmara dos DeputadosDeputado Pedro Cunha Lima (PSDB-PB)Poder em JogoLydia MedeirosJacob BarataO Rei dos ÔnibusBaratãoDona BaratinhaSupremo Tribunal Federal (STF)Ministro do STF Gilmar MendesMinistro do STFLuís Roberto BarrosoMinistra do STF Cármen LúciaPresidente do STFPropinaCaixa 2Estado do Rio de JaneiroSérgio Cabral (PMDB-RJ)Ex-Governador do Estado do RioVereadoresCongresso NacionalVocê É Doida DemaisLindomar CastilhoEliana de GrammontJulinho de GrammontPalmeiras X Corinthians