Céu azul e nada de chuva

Céu azul e nada de chuva

Do céu azul sem nuvens de Temer não cai chuva no sertão e velocidade de cruzeiro é nula

José Nêumanne

24 de novembro de 2016 | 12h26

Do céu azul de Temer e Freire não cai uma gota de chuva Foto Dida Sampaio/ESTADAO

Do céu azul de Temer e Freire não cai uma gota de chuva Foto Dida Sampaio/ESTADAO

Dúvidas de Temer sobre a própria legitimidade leva-o a inovar nas tradições do Brasil oficial: a posse de seu novo ministro da Cultura, o comunista Roberto Freire, foi secreta, transmitida pela TV oficial e proibida para a imprensa. No discurso ele falou de céu azul e velocidade de cruzeiro de um país real em crise profunda de falta de empregos e de chuva, o que martiriza os trabalhadores, mormente os jovens, e mata sertanejos de sede. O céu azul de que ele falou no discurso sem nexo não está ornado das nuvens necessárias para que chova no sertão e a velocidade de cruzeiro ainda é devagar quase parando, ficando difícil imaginar como o ministro recente pode ajudar a acelerar.

(Comentário no Estadão no Ar (segundo tempo) da Rádio Estadão – FM 92,9 – na quinta-feira 24 de novembro de 2016, às 9h10m)

Para ouvir clique aqui e, aberto o site da emissora, 2 vezes no play sob o anúncio em azul

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.