Centrão quer auxílio sem teto nem controle

Congresso se dispõe a renovar ajuda aos pobres na pandemia, mas não aceita manter o teto nem controlar gastos para cobrir as despesas com a sobrevivência dos desvalidos da pandemia

José Nêumanne

09 de fevereiro de 2021 | 20h38

Os presidentes da Câmara, Artur Lira, e do Senado, Rodrigo Pacheco, querem dar continuidade ao auxílio emergencial, mas são contra manter seu financiamento fora do teto e do controle dos gastos. Foto: Dida Sampaio/Estadão

O comando do Congresso sinalizou que quer uma via expressa para a retomada do auxílio emergencial. Os gastos com o benefício devem ficar de fora do limite do teto de gastos, regra que proíbe que as despesas cresçam em ritmo acima da infloação. Ao contrário do que prega o ministro da Economia, Paulo Guedes,a nova rodada do auxílio não deve prever contrapartidas, como a aprovação de medidas de controle de gastos. O Centrão sempre foi a favor da gastança generalizada. Por que mudaria agora após ter ganho de mão beijada a oportunidade de meter a mão na bufunfa em troca de impunidade geral da famiglia Bolsonaro. Em editorial a respeito, o Estadão afirmou: “a dificuldade de encontrar recursos para o auxílio emergencial alimenta um discurso irresponsável para justificar a ruptura do teto de gastos”.

Para ouvir comentário clique aqui e, em seguida, no play

Assuntos para comentário da terça-feira 9 de fevereiro de 2021:

 1 – Haisem – Congresso quer auxílio fora do teto e sem corte de gastos – Esta é a manchete da primeira página da edição impressa do Estadão de hoje. Você tinha alguma dúvida de que algum dia esse “liberou geral” em matéria de contenção de gastos públicos ia terminar acontecendo

2 – Carolina – PSDB tenta filiar Maia e virar frente de oposição – Este é o título de uma chamada no alto da primeira página do jornal de hoje. Que importância você acha que tem hoje o ex-presidente da Câmara dos Deputados fora da mesa diretora dos trabalhos da Casa para de fato comandar o Legislativo na República

3 – Haisem – Para Ministério Público do Trabalho, recusa de vacina pode justificar demissão – Este é o título de outra chamada de primeira página do Estadão. Será, de fato, a seu ver, tão grave assim a decisão individual de recusar a vacina, a ponto de ameaçar o emprego do trabalhador que se nega a ser vacinado

4 – Carolina – Cientistas alertam para a terceira onda da covid em Manaus – Este é o título de mais uma chamada de primeira página do jornal de hoje. O que explica o susto diário que o mau combate à pandemia na capital do Amazonas provoca no resto do País

5 – Haisem – Testes a vencer oferecido ao Haiti supera em volume aos oferecidos aos Estados – Esta é a manchete da capa do Portal do Estadão agora. O que pode justificar uma notícia absurda hoje em plena pandemia e, apesar dela, a completa impunidade gozada pelos evidentes responsáveis por ela

6 – Carolina – O poder supremo de admitir o “inadmissível” – Este é o título do artigo publicado por você ontem no Blog do Nêumanne no Portal do Estadão. Qual é o assunto que você aborda nesse texto

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.