Capricho de Bolsonaro custa bilhões ao país

Petrobrás, Banco do Brasil e Eletrobrás perdem R$ 113,2 bilhões em valor após interferência autocrática e descabida do chefe do Executivo na gestão da maior empresa de capital misto do Brasil

José Nêumanne

23 de fevereiro de 2021 | 17h39

Seja qual tenha sido o capricho de Bolsonaro, atendimento a caminhoneiros ou a emissoras fiéis de TV, não atendidos pela Petrobrás, sua intervenção na estatal custou bilhões a empresas em teoria dos cidadãos. Foto: Ricardo Moraes/Reuters

A intervenção do presidente Jair Bolsonaro na Petrobrás, exigindo a troca no comando da petroleira e reclamações sobre a alta no preço dos combustíveis, provocou forte turbulência no mercado financeiro e acabou respingando nas demais estatais. O risco de um intervencionismo maior e adoção de medidas populistas fizeram as ações das três principais estatais do País (Petrobrás, BB e Eletrobrás) perderem R$ 113,2 bilhões em dois dias. Só na Petrobrás a queda foi de R$ 99,6 bilhões. As ações da empresa, que já tinham caído quase 8% na sexta-feira, despencaram 20,48% (ON) ontem e podem manter o desempenho negativo nos próximos dias. Foi, de fato, uma intervenção desastrosa, título do editorial do Estadão de hoje. Mas nada mudará, tudo sairá na urina e o cidadão perde tudo, como de hábito.

Para ouvir comentário clique aqui e, em seguida, no play

 

Assuntos para comentário na terça-feira 23 de fevereiro de 2021

1 – Haisem – Ingerência do Planalto na Petrobrás faz valor de estatais cair 113 bilhões de reais – Esta é a manchete de primeira página da edição impressa do Estadão de hoje. Essa conseqüência da intervenção irresponsável do presidente Jair Bolsonaro na gestão da maior empresa estatal do País já era de esperar ou o surpreendeu

2 – Carolina – Internações atingem pico e Estado terá mais restrições – Este é o título de uma chamada no alto da primeira página do jornal. O alívio sentido pela população paulista com o início da vacinação há menos de dois meses ainda resiste ao impacto de notícias ruins como esta

3 – Haisem – Proposta não vincula novo auxílio a corte de despesas – Este é o título de mais uma chamada de primeira página do Estadão. Você esperava algo diferente do quarteto formado Jair Bolsonaro, Paulo Guedes, Arthur Lira e Rodrigo Pacheco ou a notícia apenas confirma o que já esperava desse tipo de gestor

4 – Carolina – Autogolpe e guerra civil, eis a questão – Este é o título do artigo que você assina no Blog do Nêumanne na edição virtual do jornal nesta manhã de terça-feira. Qual é seu tema nesta semana

5 – Haisem – Líder do governo na Câmara defende nepotismo – Este é o título de outra chamada na primeira página do Estadão de hoje. Que novidade contém a declaração pública do deputado Ricardo Barros a respeito de tema tão nefasto ao interesse público e tão antigo

6 – Carolina – Aliado ao Planalto, ministro do STJ deve atender a pedido de Flávio Bolsonaro – Este é o título de uma chamada de capa da edição virtual do jornal. Em que uma notícia como esta altera a biografia já conhecida de João Otávio de Noronha, do Superior Tribunal de Justiça

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.