Calúnia inútil
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Calúnia inútil

Denúncia sem provas de Temer contra Janot não o exime de explicar reunião com Joesley

José Nêumanne

28 de junho de 2017 | 18h57

Cercado por denunciados por todos os Lados, Temer acusa o acusador Foto: André Dusek/Estadão

Há dois pontos frágeis do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao acusar o presidente Temer de corrupção passiva. O único competidor de Temer em impopularidade é a negociação que trocou a impunidade total de Joesley Batista para delatar o chefe do governo, deixando de cumprir 2 mil anos de pena, sem ter de informar como ficou rico rapidamente  com dinheiro do BNDES emprestado a juro de banana sob os auspícios de Lula. E a falta de explicação para o procurador Marcelo Miller trocar a Operação Lava Jato por um emprego num escritório de advocacia que presta serviços à JBS. Temer preferiu insinuar que Janot pegou propina para persegui-lo, sem dar nenhuma prova disso.

(Comentário no Jornal Eldorado da Rádio Eldorado – FM 107,3 – na quarta-feira 28 de junho de 2017, às 7h30m)

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

Para ouvir Erva Venenosa, com Rita Lee, clique aqui

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.