Cadê as vacinas, general?

Falta de vacinas em várias capitais, inclusive o Rio, forçou a primeira parada da imunização "aos soluços" prevista por Mandetta e Pazuello e Bolsonaro empurram com a barriga definição de datas para campanha

José Nêumanne

16 de fevereiro de 2021 | 17h28

Cumprindo ordens do chefe Bolsonaro, a quem obedece cega e surdamente, intendente incompetente cruza os braços quando se trata de vacina anticovid e só as compra quando pressionado. Foto: Dida Sampaio/Estadão

1 – O Rio é forçado a suspender a imunização, pois vacinas acabaram e não são substituídas, conforme avisou Mandetta no Nêumanne Entrevista sobre a imunização aos soluços, e ministro Pesadelo não evitou o que foi previsto. 2 – Bolsonaro ameaçou mandar PF investigar governo do Maranhão, e Aras ainda não se convenceu de que presidente quer fazer da polícia jurídica instrumento de perseguição pessoal e familiar, 3 – Em contrapartida, Dino disse que flexibilização de impostos sobre comércio legal de armas de fogo interessa a fabricantes, traficantes, milicianos e golpistas antidemocráticos. 4 – Dos 14 novos membros das mesas da Câmara e do Senado, 8 devem à polícia e à justiça. Direto ao assunto. Inté. E só a verdade nos salvará.

Para ver vídeo no YouTube clique aqui

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.