Cabral bagunça o coreto
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cabral bagunça o coreto

Ex-governador do Rio disse que Odebrecht pagou propina pela reforma do Maracanã a Régis Fichtner, seu "primeiro ministro", e nenhum dos 78 delatores premiados da empreiteira lembrou-se disso

José Nêumanne

27 de fevereiro de 2019 | 11h26

Na reforma do Maracanã, ministro Aldo Rebelo, secretário Régis Fichtner, diretor da Fifa Jerome Walck e Ronaldo Fenômeno. Foto: Fábio Motta/Estadão

O ex-governador do Rio Sérgio Cabral, réu confesso da Operação Lava Jato, confessou os próprios crimes e arrastou na mesma rede instituições e personagens que antes pareciam imunes à grande devassa. Ao delatar Sérgio Fichtner, que ele chamou de seu “primeiro ministro”, expôs o flanco de um ilustre membro do topo do Judiciário, o cunhado de Fichtner Marco Aurélio Bellize, promovido ao Superior Tribunal de Justiça, e abriu a temporada de caça a morcegões daquele Poder. E, ao denunciar pagamento de propina na reforma do Maracanã pela Odebrecht, expôs o flanco, que já tenho aqui denunciado, das “omissões premiadas”, pois nenhum dos 78 delatores da empreiteira tocou no assunto na delação.

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

Assuntos para comentário de quarta-feira 27 de fevereiro de 2019

1 – Haisem – O que há de mais revelador no que foi revelado da confissão espontânea que o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral fez ao Ministério Público

SONORA CABRAL 2702 D

2 – Carolina – O que há de novo no que Cabral revelou sobre Régis Fichtner, de quem você tem falado bastante já há algum tempo e o que isso pode trazer de novo nas investigações sobre corrupção no Brasil

3 – Haisem – Quais são os objetivos de Cabral com essa inesperada confissão

4 – Carolina – Lula negou que incitou invasão do triplex no Guarujá de que é acusado de ser proprietário, apesar da gravação de uma frase explícita num discurso

5 – Haisem – Manchete do Estadão hoje: “PF vai apurar vazamento de investigações da Receita”. O que isso tem a ver com telefonema de Bolsonaro a Gilmar Mendes, um dos investigados

6 – Carolina – Que mitos, a seu ver, foram desfeitos depois dos episódios do último fim de semana nas fronteiras da Venezuela com Brasil e Colômbia

7 – Haisem – Como o ministro da Educação, Vélez Rodríguez, está se saindo depois de ter sugerido filmagens repetindo slogan de Bolsonaro na campanha

8 – Carolina – De que adianta o ministro da Educação Véloez Rodríguez se desculpar por ter chamado brasilei9ros que viajam para o exterior de canibais

SONORA VELEZ 2702A

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: