Briga de bar no STF
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Briga de bar no STF

Julgamento de decreto criminoso de indulto a corruptos baixado por Temer levou debate no Supremo a expor péssimo comportamento de ministros levando a extremos de falta de decoro e até civilidade

José Nêumanne

30 Novembro 2018 | 06h53

Ao presidir sessão, Toffoli teve de pedir vista da decisão sobre validade de liminar para não perder controle sobre STF. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Houve de tudo na sessão em que, mais uma vez, o plenário do STF adiou não se sabe para quando a votação sobre o decreto criminoso do indulto natalino de Temer para Natal de 2017, porque Fux pediu vista, Gilmar forçou a barra para derrubar liminar contra e Toffoli pediu outra vista para evitar que se desrespeitasse uma tradição na Casa. Esse clima de briga de bar no órgão que se comporta como se estivesse acima do bem e do mal, levando a denominação de “supremo” ao extremo de se achar poder moderador, tal como era usado pelo imperador antes da República e não tivesse a dar satisfação nenhuma a cidadão que lhe paga subsídios que são o limite para vencimentos de funcionários. Este é meu comentário no Estadão Notícias, no Portal do Estadão desde 6 horas da sexta-feira 30 de novembro de 2018.

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no player