Boteco pé sujo

Boteco pé sujo

Presidente do TSE e procurador-geral da República se digladiam como bêbados em botequim

José Nêumanne

23 de março de 2017 | 12h28

A República não merece briga de baixo nível entre presidente do TSE e procurador-geral Foto André Dusek/Estadão

República não merece briga de baixo nível entre presidente do TSE e procurador-geral Foto André Dusek/Estadão

Não há motivo nenhum para o bate-boca de boteco pé sujo entre o presidente do TSE, Gilmar Mendes, e o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a não ser corporativismo, vaidade e, sobretudo, luta pelo poder, quando ambas as figuras deveriam ter mais comedimento e um usar em relação ao outro palavras de forma mais apropriada, já que precisam conviver em paz para garantir que tudo ocorra num clima de civilidade. E não existe motivo algum para que transformem as instituições republicanas num ringue, brigando por motivos rasteiros, seja para resolver alguma querela de interesse meramente individualista, seja por antipatia pessoal ou ainda por diferença de convicções políticas diversas.

(Comentário no Jornal Eldorado da Rádio Eldorado – FM 107,3 – na quinta-feira 23 de março de 2017, às 7h30m)

Para ouvir clique aqui e no ícone de play

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.