Bomba de Glenn e Reinaldo deu chabu

Revelação tida como bombástica do Intercept, preparada para influir na decisão da Segunda Turma do STF deu em nada, pois procuradora-geral da República não a levou em conta por falta de autenticidade e pediu para pena de Lula ser mantida

José Nêumanne

21 de junho de 2019 | 20h11

Procuradora-geral da República, Raquel Dodge, desconheceu existência do escândalo das mensagens por Telegram por falta de comprovação de que são autênticas em despacho ao STF. Foto: Fábio Motta/Estadão

Expectativa criada pelas revelações do site The Intercept Brasil, do americano Glenn Greenwald, de mensagens eventualmente trocadas em aplicativo russo Telegram está se tornando galhofa, comparável à tentativa de soltar Lula no plantão de Rogério Favreto no TRF 4. Episódio dado como bombástico divulgado por Reinaldo Azevedo na rádio FM Band News de uma “ordem” de Moro para dispensar procuradora das oitivas dos réus da Lava Jato gorou no dia em que procuradora-geral da República, Raquel Dodge, recusou incluir resultado do hackeamento dos celulares dos agentes por falta de prova de autenticidade. Patético é pinto!

Para ver comentário no Jornal da Gazeta da sexta-feira, 21 de junho de 2019, às 19 horas, clique aqui

 

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.