Bolsonaro sempre sabotou a vacina

Bolsonaro sempre sabotou a vacina

Ex-secretário de Comunicação da Presidência entregou à CPI da Covid carta da Pfizer propondo venda de milhões de doses de vacinas a presidente, vice e vários ministros, que não deram bola

José Nêumanne

13 de maio de 2021 | 21h09

Bate-b0ca de insultos desrespeitosos com quebra de decoro  marcou o confronto entre Flávio Bolsonaro e Renan Calheiros na sessão da CPI e no cafezinho do Senado. Foto:: Marcos Oliveira/Agência Senado

O ex-secretário de Comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten, admitiu à CPI da Covid quarta-feira, 12, que a carta na qual a empresa Pfizer se dispunha a negociar vacinas contra o coronavírus foi enviada ao governo em setembro de 2020 e ficou dois meses sem resposta. No depoimento, que durou mais de oito horas, Wajngarten caiu em contradição, negou ter chamado o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello de “incompetente” e irritou senadores. “Imagina a situação: um cidadão honesto ser preso por um vagabundo como Renan Calheiros”, afirmou Flávio, filho “01” de Bolsonaro, ao dizer que o relator queria usar a CPI como palanque eleitoral. “Vagabundo é você, que roubou dinheiro do pessoal do seu gabinete”, retrucou Renan. De fato, a famiglia Bolsonaro praticou peculato, mas vive mesmo é de milícias.

Para ouvir comentário clique aqio e, em seguida, no play

 

Assuntos para comentário da quinta-feira 13 de maio de 2021

1 – Haisem – Ex-assessor admite na CPI que governo ignorou a Pfizer – Esta é a manchete de primeira página da edição impressão do Estadão desta quinta-feira.  O que, afinal, restou de aproveitável do depoimento do ex-secretário de Comunicação do governo federal no Senado

2 – Carolina – Qual foi a razão de os membros da Comissão Parlamentar de Inquérito do Senado para investigar erros e omissões do governo federal no combate à pandemia terem discutido a eventual prisão de Fábio Wajngarten durante seu depoimento ontem

3 – Haisem – Por que o presidente da CPI do Senado, Omar Aziz, se viu obrigado a interromper a sessão de ontem depois de um entrevero entre o relator, Renan Calheiros, e Flávio, o primogênito do presidente da República, Jair Bolsonaro

4 – Carolina – Mortes caem, mas país tem alta de casos de covid – Este é o título de chamada de primeira página do jornal de hoje. O que pode significar essa notícia dúbia, que pode dar esperanças ao povo brasileiro, mas também preocupação

5.- Haisem – Decisão do STF derruba 3 mil e 400 patentes – Este é o título de outra chamada de primeira página no Estadão deste 13 de maio. Que efeitos práticos essa decisão do Supremo Tribunal Federal poderá ter sobre a rotina do cidadão brasileiro

6 – Carolina – STF vê retaliação em pedido para investigar Toffoli; PGR deve pedir arquivamento. Este é o título de uma chamada de capa do Portal do Estadão agora cedo. Por que a Polícia Federal pediu ao Supremo para investigar um de seus membros por suspeita de venda de sentença

 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.