Bolsonaro ressuscita quem enterrou em 18

Sem ter partido para chamar de seu e em queda livre de popularidade em capitais e grandes cidades, presidente perdeu para caciques que derrotou na eleição presidencial e fracassou junto com Lula

José Nêumanne

01 de dezembro de 2020 | 17h14

 

Após votar e fracassar, na companhia do neo-aliado Lula no pleito municipal, Bolsonaro ressuscitou velha política e também lorota do uso do voto impresso para reduzir fraude eleitoral, que não prova. Foto: Wilton Jr./Estadão

Em 2018, Jair Bolsonaro enterrou líderes e partidos que pertenciam ao que ele chamava de “velha política”. E nas eleições municipais de domingo 29, vencidas por PSDB, MDB, DEM e outras siglas comprometidas com ela, o fato de ele ter deixado de cumprir os compromissos com os combates à corrupção e, especialmente, ao PT, muitos deles voltaram à tona, principalmente aquele que indicou como seu maior inimigo, João Doria, que elegeu prefeitos em cidades que, somadas, têm 34 milhões de habitantes e respondeu ao estelionato eleitoral do capitão com outro, ao deixar para após a contagem dos votos a decisão de voltar ao estágio amarelo, endurecendo o isolamento social contra a covid 19. Seu candidato, Bruno Covas, venceu o adversário de esquerda, Guilherme Boulos, com 19 pontos porcentuais de vantagem, e ajudou a manter sepultado o PT, superado até na esquerda pelo PSOL em São Paulo. Direto ao assunto. Inté. E só a verdade nos salvará.

Para ver vídeo no YouTube clique aqui

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.