Bolsonaro, o maior veneno do Brasil

Depois que o Brasil passou das 4 mil mortes por covid, presidente teve o descaramento de falar mal da imprensa para desviar das evidências de sua responsabilidade por contágio, morte e colapso do SUS

José Nêumanne

07 de abril de 2021 | 19h43

Bolsonaro disse que para resolver o problema da covid em minutos basta gastar no combate o que os governos pagaram aos órgãos de imprensa. Foto: Marcos Corrêa/PR

O Brasil ultrapassou pela primeira vez na terça-feira 6 de abril a marca de 4 mil mortes pelo novo coroné vírus em 24 horas, com 4.211 registros, recorde na pandemia. O agente da morte Jair Bolsonaro ignorou os números da tragédia e disse que “resolve o problema do vírus em poucos minutos”, em mais um ataque à imprensa. “É só pagar o que os governos pagavam para GloboFolha, O Estado de S. Paulo… Esse dinheiro não é para imprensa, esse dinheiro é para outras coisas”, afirmou o presidente, que prosseguiu: “Eu cancelei todas assinaturas de revistas e jornais do governo federal. Acabou. Já entramos no segundo ano sem nada. A gente não pode começar o dia envenenado”. O envenenador-mor da República é o capetão sem noção terrorista expelido do Exército por planejar jogar bombas em quartéis e na adutora do Guandu.

Para ouvir comentário clique aqui e, em seguida, no play

Para ouvir no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique no link abaixo:

Assuntos para comentário da quarta-feira 7 de abril de 2021

1 – Haisem – País tem 4 mil e 200 mortes em 24 horas e contágio em alta indica piora – Esta é a manchete da edição impressa do Estadão nesta quarta-feira. Por que, em sua opinião, as piores previsões estão sempre se confirmando e acumulando, mas nenhum Poder da República oferece ao povo brasileiro uma saída dessa trágica encalacrada

2 – Carolina – Novo ministro da Justiça troca chefia da Polícia Federal – Este é o título de outra chamada de primeira página do jornal de hoje. Qual foi o motivo de uma notícia aparentemente rotineira da gestão policial merece nossa maior atenção nesta hora de tantas outras ainda piores

3 – Haisem – Corte de jornada e salário deve ser votado no Senado – Aí está mais um título de chamada de primeira página do Estadão que está circulando. Em que essa notícia altera a marcha inexorável do aumento da recessão da economia e, em conseqüência, da fome no Brasil de hoje

4 – Carolina – O que chamou mais sua atenção na transmissão de cargos dos seis ministros que assumiram ontem suas pastas no Palácio do Planalto sem platéia nem a presença da imprensa

5 – Haisem – Que motivos tem o presidente do Instituto Butantan, o hematologista Dimas Covas, tem para afirmar, como o fez, que a ciência perdeu a batalha contra a covid para o negacionismo

6 – Carolina – Em que os depoimentos de vizinhos testemunhando agressões e gritos contra a ex-mulher e filha de 13 anos pelo vereador do Rio doutor Jairinho podem influir no rumo do processo em que ele e a namorada, Monique Medeiros, agora são investigados, e não mais testemunhas, da morte do filho dela, Henry Borel, de quatro anos de idade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.