Bolsonaro na velha política

Para evitar reeleição de Maia à Presidência da Câmara e obter dois quintos dos votos de deputados para evitar impeachment,. presidente dá cargos ao centrão em troca de apoio a sua permanência no governo

José Nêumanne

23 de abril de 2020 | 22h13

Roberto Jefferson, aliado de FHC e Lula, delator e condenado no mensalão, vai dar votos contra impeachment de Bolsonaro em troca de mandar no Ministério do Trabalho, que será recriado. Foto: JF Diorio/Estadão

“Não queremos negociar nada”, disse o presidente Jair Bolsonaro ao abrir seu discurso de apoio ao comício de seus apoiadores exigindo intervenção militar com ele no poder, volta do AI-5 e o fechamento de Congresso e STF. De fato, ele não precisa mais negociar. Pois já negociou com bandidos da velha política trocando orçamentos públicos polpudos para se ver livre de processos de impeachment após o ato à frente do QG do Exército e no Dia do Exército, o primeiro dos quais acaba de ser apresentado pelo PDT. Vai recriar o Ministério do Trabalho para Roberto Jefferson, corrupto e delator do mensalão, indicar o titular. Entregará o FNDE e o DNOCS a um membro do PP do corrupto-mor Paulo Maluf, hoje presidido por Ciro Nogueira. E o Banco do Nordeste a outro condenado cumprindo pena (como Jefferson) Valdemar Costa Neto. Todos ladrões, todos ex-serviçais de Fernando Henrique, Lula e Dilma. Direto ao assunto. Inté. E só a verdade nos salvará.

Para ver vídeo no YouTube clique aqui

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.