Bolsonaro festeja 9 crimes, em vez de 11

Como não convenceu presidente da CPI, Aziz, da existência de provas de homicídio qualificado e genocídio, Renan retirou-os do relatório, mas manteve outros 8, e bolsonaristas festejaram vitória

José Nêumanne

20 de outubro de 2021 | 10h22

Em torno da mesa com arroz de pata no jantar no apartamento de Tasso, presidente da CPI, Aziz, convenceu relator Renan a eliminar dois dos 11 crimes atribuídos a Bolsonaro, que comemorou. Foto: Leopoldo Silva/Senado

O relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito sobre a Covid no Senado Federal não acusará o presidente Jair Bolsonaro de homicídio qualificado nem de genocídio contra as populações indígenas. O indiciamento do presidente por estes dois crimes estava presente na minuta mais recente do relatório final preparado por Renan Calheiros mas os senadores do chamado “G7” da CPI fecharam um acordo para remover os dois crimes durante uma reunião na noite desta terça-feira, 19. A mudança foi comemorada pelos bolsonaristas, mas o relatório, a ser votado na terça 20 manterá o elenco de nove crimes, alguns dos quais atentados contra as vidas de centenas de milhares de brasileiros o que transforma esse festejo num velório com vinho e pagode, bem ao estilo das milícias da periferia do Rio de Janeiro.

Para ouvir comentário clique aqui e, em seguida, no play

 

Assuntos para comentário da terça-feira 19 de outubro de 2021

1 – Haisem – Entrevista, Roberto Castello Branco, ex-presidente da Petrobrás – “Bolsonaro se acha dono da Petrobrás e age como tal” – Esta é a manchete da primeira página do Estadão de 19 de outubro de 2021. Em que fatos o ex-presidente da estatal se baseia para fazer declaração tão bombástica

2 – Carolina – Na reta final, CPI da Covid expõe relatos de médicos – Este é o título de uma chamada no alto da primeira página do jornal desta terça-feira. Que contribuição os depoimentos dados na última semana de trabalhos da comissão trazem para o esclarecimento dos fatos sobre o pandemia no Brasil

3 – Haisem – O despudor da “famiglia” Bolsonaro em Dubai – Este é o título do artigo semanal de sua autoria publicado no Blog do Nêumanne no portal do Estadão. O que motivou sua revolta no contraste entre a pose de sheik do filho 03, mulher e filha nos Emirados Árabes e o flagrante dos pobres catando restos de alimentos deteriorados num supermercado em Fortaleza

4 – Carolina – Este é Gordo, o traficante que sonha ser Pablo Escobar – Eis o título de chamada do alto da primeira página do jornal do dia. O que lhe chama a atenção nesta notícia de destaque sobre o novo chefão boliviano do tráfico de entorpecentes, que imita a vida do célebre colombiano que o antecedeu

5 – Haisem – Governo sinaliza com prorrogação do auxílio emergencial – Este é o título de mais uma chamada de primeira página no Estadão que está circulando. O que faz cúpula federal mudar de ideia sobre essa volta em vez da criação do Auxílio Brasil no lugar do Bolsa Família

6 – Carolina – Quais são, a seu ver, as chances de o combate à corrupção, que Bolsonaro prometeu na campanha, mas não cumpre no governo, voltar ao topo do debate político com o recente retorno do ex-ministro da Justiça Sérgio Moro ao noticiário político

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.