Bolsonaro, estelionatário e corrupto confesso

Presidente não cumpriu no governo nenhuma das 12 promessas que fez na campanha eleitoral e viu-se forçado a reconhecer que dinheiro depositado por Fabrício era para ele, não para a mulher

José Nêumanne

21 de dezembro de 2020 | 20h17

Assim que percebeu que não contaria com cumplicidade de Moro para livrar filhos de investigações criminais, Bolsonaro tratou imediatamente de livrar-se dele no Ministério da Justiça. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Levantamento feito pelo Estadão indica que ao menos 12 medidas de impacto na política e na economia, anunciadas na campanha de 2018 e nos primeiros meses de governo, foram deixadas de lado, como privatizações, reforma tributária e apoio à Lava Jato. Em dois anos de gestão, prevaleceram discursos ideológicos, alianças com partidos do Centrão e “agendas” de família. O presidente atuou nas redes sociais sob influência do “gabinete do ódio”, comandado pelo vereador Carlos Bolsonaro, seu filho “02”. Além disso, tentou frear denúncias envolvendo o primogênito, o senador Flávio Bolsonaro , alvo de inquérito que investiga um esquema de rachadinha à época em que ele era deputado estadual no Rio. Jair promessinha em vão  revela-se um estelionatário completo e um político corrupto rematado e confesso.

Para ouvir comentário clique aqui e, em seguida, no play

 

Assuntos para segunda-feira 21 de dezembro de 2020:

 

1 – Gestão Bolsonaro completa dois anos sem cumprir promessas – Esta é a manchete da edição impressa do Estadão hoje. O que levou o presidente da República a trair todos os compromissos de campanha na metade do governo para o qual foi eleito

 

2 – O que, na sua opinião, mais uma negativa de ter feito relatório revelado e reconhecido pela advogada de Flávio Bolsonaro revela de fundamental para abrir uma discussão séria sobre a extinção da agência supostamente de inteligência e pretensamente do Estado brasileiro

 

3 – No Rio, Bolsonaro concentra visita em evento militar – Este é o título de uma chamada anexa à manchete da capa do noticiário no Portal do Estadão. Por que ele fez isso e o que disse no evento que mais chamou a atenção

 

4 – Doença é mais cara que vacina, diz Mayana – Este é o título do vídeo da série Nêumanne Entrevista no seu canal José Nêumanne Pinto no YouTube. O que a geneticista que dirige o projeto do genoma humano e das células-tronco trouxe de novo para as discussões sobre a pandemia e a vacinação no debate nacional

 

5 – Nova cepa do vírus faz países isolarem Reino Unido – Este é o título de uma chamada na primeira página do Estadão – Que lições uma notícia como essa traz para a urgência de uma campanha digna das tradições da imunização bem-sucedida no Brasil, ameaçada pelo negacionismo do presidente Jair Bolsonaro

 

6 – Irmão de Alcolumbre perde eleição no Amapá – Este é o título de uma chamada de primeira página da edição impressa do jornal. Por que uma eleição que parecia de início tão fácil para Josiel, irmão do presidente do Senado e do Congresso, está terminando em derrota e assim ficou mais relevante do que se pensava antes

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.