Bolsonaro e Trump contra o coitadismo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Bolsonaro e Trump contra o coitadismo

Se convidar mesmo Brasil para OCDE, pedindo para País abrir mão de regalias de pobres na OMC, Trump dará a Bolsonaro e aos brasileiros oportunidade de fugir do complexo de vira-lata e sair da crise

José Nêumanne

20 de março de 2019 | 12h00

Bolsonaro e Trump, lado a lado nos jardins da Casa Branca, após encontro no Salão Oval, olhavam na mesma direção. Foto: Shealah Craighead/Casa Branca

Da viagem de Bolsonaro aos EUA, de fato a primeira de um presidente brasileiro que não é antiamericanista, ficará muito mais do que a óbvia simpatia pessoal entre ele e Trump. Se este cumprir a promessa de introduzir o Brasil na OCDE, o clube dos ricos, será um up grade pelo qual seremos todos gratos, mesmo que o País tenha de abrir mão das duvidosas esmolas das condições especiais na OMC. Só a libertação do coitadismo da mentalidade de vira-latas da “resistência” de esquerda, constatada por Nelson Rodrigues, será um bom passo à frente. Outro avanço será a aliança entre os dois países contra a tirania de Maduro e a favor do povo venezuelano, só que sem intervenção militar, é óbvio.

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

Assuntos para comentário da quarta 20 de março de 2019

1 – Haisem – Em que o Brasil melhora com a nova amizade com os Estados Unidos depois de décadas de antiamericanismo, conforme definiu o presidente em Washington

BOLSONARO 1903 ANTIAMERICANO

2 – Carolina – O que significa para o Brasil ser apoiado por Trump para entrar no clube fechadíssimo da OCDE, conforme anunciou Bolsonaro

3 – Haisem – Depois das declarações de Bolsonaro e Trump, passou a entrar no leque das possibilidades uma intervenção militar brasileiro-americana da Venezuela

4 – Carolina – Será que o ministro do STF Gilmar Mendes vai retaliar promotores do GAECO do Paraná impondo seu salvo-conduto para Beto Richa depois de sua terceira prisão

5 – Haisem – Depois das diatribes de Gilmar Mendes, os procuradores agora também enfrentam guerra aberta pelo relator do tal inquérito de Dias Toffoli para punir quem criticar o STF, Alexandre de Moraes. Por que esses agentes da lei passaram a ser os vilões da cena jurídica nacional

SONORA_MORAES 2003

6 – Carolina – A CPI da Lava Toga, protocolada no Senado, terá alguma chance de sucesso depois da declaração de guerra à iniciativa feita pelo presidente Davi Alcolumbre

7 – Haisem – Em que podem mudar suas impressões sobre a chacina da escola Raul Brasil em Suzano a notícia, dada na primeira página do Estadão, de que a polícia apreendeu o mentor do ataque

8 – Carolina – Em que a redução para prazo de prescrições de dez para três anos pode debilitar ainda mais o combate à corrupção, já reduzido depois da resolução do STF de quinta-feira passada

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: