Bolsonaro deixou Moro perder
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Bolsonaro deixou Moro perder

Com Coelho e Ônyx manobrando, líder do governo no Congresso e Eduardo Bolsonaro ausentes e presidente adulando colecionadores de armas, transferência do Coaf para Moro perdeu na Câmara

José Nêumanne

10 de maio de 2019 | 11h19

Ministro da Justiça, Sérgio Moro, e presidente do Coaf, Roberto Leonel, ainda juntos, à espera da transferência do órgão para o Ministério da Economia. Foto: Dida Sampaio/Estadão Conteúdos

Ao não cuidar do necessário apoio parlamentar à MP da reforma administrativa, que incluía reformulação da Esplanada dos Ministérios e transferência do Coaf do Ministério da Economia para o da Justiça, Bolsonaro deixou o tempo passar e, na prática, entregou providências tomadas logo depois da posse por conta do Centrão e do líder do Senado no governo, senador Fernando Bezerra Coelho. Às vésperas de a MP caducar, o presidente cuidou de permitir que colecionadores e caçadores usassem armas, enquanto a inexistente base governista na Câmara, orientada por Ônyx Lorenzoni, acusado de usar caixa 2, que Moro quer criminalizar, orientou rebanho do PSL a empurrar o ex-juiz da Lava Jato na fossa. Joyce Hasselmann e Eduardo Bolsonaro foram lá. E aí foi feito o jogo sujo de parlamentares suspeitos e apavorados.

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

1 – Haisem – “Governo não se empenha e Moro fica sem o Coaf”, registrou Estadão no alto da primeira página. Você acha que faltou mesmo empenho de Bolsonaro para pretensão de Moro de manter o Coaf ser atendida e por que isso teria acontecido

SONORA_BEZERRA 2005

2 – Há de fato algum risco de a transferência ter sido uma retaliação aos agentes da Receita pelos suspeitos, acusados e processados da Lava Jato e de a Operação ser prejudicada por ela?

SONORA_PORTA VOZ

3 – Haisem – Você vê algum sentido na transferência da transferência de todas as políticas de desenvolvimento da indústria, comércio e serviços do Ministério da Economia para o Ministério da Ciência e Tecnologia, que tem à frente o ministro Marcos Pontes, e que, aliás, foi. antecipada pelo blog da coluna Direto da Fonte de Sônia Racy

4 – Carolina – A falta de pressa do Supremo Tribunal Federal em decidir sobre as prisões de Sarney e do Coronel Lima Filho, deixando-a para terça-feira, frustrou de alguma forma a defesa do ex-presidente

5 – Haisem – Com a necessidade de se encontrar prisões adequadas para ex-presidentes condenados a cumprir pena por crimes comuns, caso de Lula e Dilma, sem falar nas perspectivas em relação a Collor e Dilma, você não acha que já era hora de o Congresso definir legalmente que solução deve ser dada para esses casos excepcionais

6 – Carolina – Que alegações o Ministério Público Federal do Rio Grande do Sul teve para processar o governo por censura, racismo e homofobia pela suspensão da campanha publicitária do Banco do Brasil

7 – Haisem – O que significa a corrida de oposicionistas a embaixadas em Caracas depois da onda de decisões repressivas do ditador Nicolás Maduro

8 – O que você tem a dizer para satisfazer minha vocação de spoiler sobre a entrevista desta semana no Blog do Nêumanne, que está na primeira página do portal agora cedo

 

Tendências: