As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Boa nova na guerra à covid-19

Chegada de 725 mil testes para detectar contágio por coronavírus a São Paulo pode reduzir a fila de espera nos laboratórios habilitados, mas é só começo de tentar sair do voo cego que tem sido luta pela vida

José Nêumanne

15 de abril de 2020 | 22h11

Chegada dos testes importados pelo governo de São Paulo da Coreia do Sul pode diminuir fila de espera por resultados de exames no tradicional Instituto Butantan. Foto: Divulgação

A quarta-feira 15 amanheceu com uma boa notícia na guerra contra o novo coronavírus: chegou o primeiro lote de testes comprados pelo governo de São Paulo. São 725 mil, importados da Coreia do Sul. Agora eles vão ser distribuídos para os 34 laboratórios habilitados a fazer o diagnóstico em todo o estado. Este é apenas o começo da recuperação de um item fundamental, que garantiu o sucesso do combate à covid-19 na Coreia do Sul, tido como modelo, e na Alemanha. Como diz Carlos Andreazza, “estamos no voo cego na luta contra a pandemia”. O Brasil, 14.º colocado no item, faz 296 testes por milhão de pessoas. O Irã, segundo que menos testa entre os 15 mais afetados, 2.755 por milhão. Os EUA, 7.101 por milhão. A Alemanha, um dos países com menor taxa de mortalidade, testou 1.317.887 pessoas, 15.730 por milhão.

Para ouvir comentário clique aqui e, em seguida, no play

 

Assuntos para comentário na quarta-feira 15 de abril de 2020-04-15

1 – Haisem – Até que ponto você considera uma boa notícia a chegada de testes comprados da Coréia do Sul para pelo menos sairmos do vôo cego da perseguição ao violento e misterioso novo coronavírus no Brasil

2 – Carolina – Até que ponto a notícia de que os governadores do Rio, Wilson Witzel, e do Pará, Hélder Barbalho, pode contribuir para convencer brasileiros fora desses Estados a aderirem ao isolamento social como única forma comprovada até agora de deter o avanço da covid-19

3 – Haisem – Você acha que os procuradores federais têm razão ao protestar contra a posição de seu chefe, Augusto Aras, emprestando a força da instituição nas sessões de votação do Supremo Tribunal Federal para apoiar a cruzada do presidente da República, Jair Bolsonaro, contra o isolamento social decidido por governadores e prefeitos

4 – Carolina – Mandetta fez uma falta. Merece cartão, diz Mourão. Esta é a manchete de primeira página do Estadão. De fato, tudo indica que Bolsonaro só não deu cartão cartão vermelho ao ministro da Saúde porque ainda não decidiu sobre seu substituto. Que conseqüências você prevê para o combate ao novo coronavírus no País com essa eventual demisão

5 – Haisem – Quando falam em ciência, Bolsonaro saca o revólver – este  é o título de seu artigo na página 2 do Estadão. O que este texto revela de relevante para explicar o comportamento do presidente da República na maior crise sanitária da História

6 – Carolina – Washington Post diz que Bolsonaro é o pior líder global na crise da covid-19. O jornalão americano, que ganhou fama no caso Watergate que levou o presidente Richard Nixon a reunúncia, não poupou o “mito” dos bolsonaristas, hein, Nêumanne

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.