B de Brasil, bunda e besta
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

B de Brasil, bunda e besta

O altíssimo preço dessa falsa democracia de festa, farras e foro é a eterna desfaçatez

José Nêumanne

23 Agosto 2017 | 12h11

Rodrigo e Cândido no centro das atenções da votação do “ficamos” da Câmara Foto: André Duzek/Estadão

primeira vez em que ouvi falar no Fundo Especial de Financiamento da Democracia, deu-me vontade de me ajoelhar e rezar o Salve Rainha. O fervor cívico passou quando fiquei sabendo que o preço desse tipo de democracia é a eterna desfaçatez. O fundo não é de R$ 3,6 bilhões, como apregoou o nada Cândido, nem de R$ 2 bilhões, cuja pedra cantou assim que percebeu que, na pindaíba generalizada, reduzido, o valor convenceria. Afinal, não entram nesse falso total nem os R$ 2 bilhões do fundo partidário, que vale no ano da eleição e no outro, de urnas fechadas e recolhidas, nem a renúncia fiscal com que se paga o horário, que é gratuito para os espertalhões e pago a bilhões pelos otários, que somos nós.

No bordel Brasil vale tudo, até a venda de indulgências perpétuas por castas prostitutas.

Estes são os dois últimos parágrafos de meu artigo A indulgência perpétua das castas prostitutas, publicado na Pag.2A do Estado de S. Paulo da quarta-feira 23 de agosto de 2017 (Opinião)

Para lê-lo na íntegra clique aqui