Até quando instituições funcionarão?

Ordem do Tribunal de Contas da União para governo e Congresso apresentarem documentação sigilosa do orçamento clandestino mostram que instituições funcionam, mas podem ser interrompidas

José Nêumanne

28 de maio de 2021 | 13h29

Orçamento clandestino de quase R$ 4 bilhões de emendas parlamentares para comprar apoio no Congresso tem apelido de “tratoraço” porque prefeiitos premiados com verbas excepcionais a usaram para comprar máquinas agrícolas. Foto: Isac Nóbrega/PR

O ministro do Tribunal de Contas da União Walton Alencar Rodrigues, relator das contas de 2020 da Presidência da República, exigiu que o Palácio do Planalto e o Ministério da Economia entreguem, num prazo “improrrogável” de cinco dias úteis, cópias dos documentos ainda ocultos do orçamento secreto, esquema montado pelo presidente Jair Bolsonaro, no final do ano passado, para garantir apoio no Congresso. A decisão de abrir a caixa-preta do “tratoraço”, caso revelado pelo Estadão, inclui a exigência de entrega de ofícios de deputados e senadores, papéis até agora mantidos em sigilo, que formalizaram o direcionamento de bilhões de recursos de emendas de relator-geral do orçamento (chamadas RP 9) a redutos eleitorais. Ainda há instituições republicanas em Brasília. A questão é: até quando?

Para ouvir comentário clique aqui e, em seguida, no play

Para ouvir no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique no link abaixo:

Assuntos para comentário da sexta-feira 28 de maio de 2021

1 – Haisem – Tribunal de Contas da União exige do governo documentos ocultos do orçamento secreto – Esta é a manchete da edição impressa do Estadão neste 28 de maio de 2021. Por que razão você acha que o órgão fiscalizador do Poder Legislativo adotou essa providência

2 – Carolina – País poderia ter o dobro de vacinados, diz Dimas Covas – Este é o título de uma chamada no alto da primeira página do jornal desta sexta-feira. Qual foi, a seu ver, a relevância do depoimento do diretor do Instituto Butantan à comissão parlamentar de inquérito do Senado sobre a covid

3 – Haisem – Pazuello diz que não foi ao ato político com Bolsonaro – Este é o título de outra chamada do alto da primeira página do Estadão de hoje. Que punição você acha que merece o general intendente depois dessa explicação absurda sobre sua participação na tal motociata de domingo com o presidente da República no Rio

4 – Carolina – Disciplina militar em xeque – Este é o título do primeiro editorial do jornal hoje. Você acha que a transgressão do estatuto militar e das leis eleitoral e sanitária de fato exige punição em regra ou seria um exagero, se adotada pelo comandante

5 – Haisem – Fux e Toffoli não se dão por impedidos, também votam e Supremo anula delação de Sérgio Cabral com a PFEste foi o título de reportagem do Estadão que está circulando. Como você comenta o julgamento do STF que tornou sem efeito por 7 a 4 o acordo de delação do ex-governador do Rio de Janeiro

6 – Carolina – O que você tem a dizer sobre as mortes do sambista Nelson Sargento e do arquiteto urbanista Jaime Lerner na quinta-feira 27 de maio

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.