Arte e sujeira
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Arte e sujeira

Ao confundir arte (grafite) com sujeira (pichação), Doria cria polêmica inútil no aniversário de São Paulo

José Nêumanne

25 de janeiro de 2017 | 18h46

SÃO PAULO 24/01/2017 - CIDADE METRÓPOLE - PICHAÇÃO GRAFITE - Prefeito João Doria pinta parte de muros da Avenida 23 de Maio de Cinza onde havia grafites - Na foto muro sob o Viaduto Paraíso que havia sido pintado de cinza parcialmente e foi alvo de pichação - Foto: NILTON FUKUDA/ESTADÃO

Pichadores protestaram contra prefeito pichando seu nome no muro que tinha grafite Foto: Nilton Fukuda/Estadão

Ao mandar cobrir com tinta cinzenta o mural do grafiteiro Eduardo Kobra na 23 de maio na véspera do aniversário de São Paulo, o prefeito João Doria argumentou que sua intenção era preservar o trabalho do artista das pichações que a tornavam feia. Quem passa pela avenida, contudo, tem mais a lamentar o muro que não torna a cidade linda nem limpa, mas apenas cinza. Assim, o alcaide paulistano agrediu a inteligência e a sensibilidade do cidadão comum, além de manifestar seu próprio desconhecimento sobre a diferença existente entre o grafite, que é arte e precisa ser incentivado pelo gestor público, e a pichação, que sua administração tem obrigação de apagar, além de reprimir seus autores.

(Comentário no Direto da Redação 3 da Rádio Estadão – FM 92,9 – na quarta-feira 25 de janeiro de 2017, às 17h37m)

Para ouvir clique aqui e, aberto o site da emissora, 2 vezes no play sob o anúncio em azul

Tendências: