Após tempestada, nada de bonança

Em vez de justificarem caos pós toró, gestores públicos deveriam planejar para evitar mais estragos de chuva de verão ainda maior, e os cidadãos exigirem essas medidas na hora de decidirem seu voto

José Nêumanne

10 de fevereiro de 2020 | 21h50

Cena do caos urbano: Paulo Copino carregou pessoas no trator em que trabalha na Avenida Ermano Marchetti, na Lapa Foto: Giovana Girardi / Estadão

Sempre que acontece um temporal como o que caiu em São Paulo desde a madrugada e ora está desabando no Rio, as autoridades vêm a público dizer que a culpa não é deles, mas do excesso de chuva. Trata-se de uma desculpa cínica e inócua. Um toró como o de hoje deveria mesmo era modificar o padrão de planejamento dos gestores municipais  para uma ainda maior ser enfrentada, ora!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.