Apocalipse sem sirene
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Apocalipse sem sirene

Explicação de que sinal sonoro de alerta não funcionou por ter sido destruído pela lama no instante em que vítimas eram surpreendidas por avalanche de lama dá ideia do despreparo dos executivos da empresa

José Nêumanne

01 Fevereiro 2019 | 17h52

Enquanto aguardam anúncio de milagre e se despedem de seus mortos, povo de Brumadinho só acha conforto na própria fé. Foto: Adriano Machado/Reuters

A explicação dada pelo presidente da Vale, Fábio Schvartsman, segundo quem a sirene da barragem da mineradora no Córrego do Feijão em Brumadinho só não funcionou porque foi tragada pela lama seca dos rejeitos minerais nela depositados dá bem uma ideia de como alta direção da empresa não está à altura da tragédia ali registrada. Além de absurdo imaginar que algo planejado para alertar os ocupantes da área que seria soterrada tenha sido “surpreendida” no mesmo átimo de segundo das que se tornariam vítimas, o flagrante da busca desesperada de justificativas para algo que é injustificável atropela lógica, razão e emoção num evento que só pode ser definido como crime contra a humanidade.

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

Assuntos para comentário da sexta 1 de fevereiro de 2019-01-31

1 – Haisem – Presidente da Vale afirma que sirene do Córrego do Feijão só não tocou porque foi abafada pelo barulho do arrombamento. Isso é que é eficiência, não é mesmo? Ou é humor involuntário

SONORA_SCHVARTSMANN A

2 – Carolina – Expedição pelo rio Paraopeba encontra peixes mortos no trajeto da lama de Brumadinho rumo a Três Marias e ao São Francisco

3 – Haisem – Agência de Mineração aumentou multa máxima para mineradoras delinquentes de R$ 3.200 para R$ 3.400 e projeto que a aumenta para R$ 30 milhões está no departamento do ninguém sabe, ninguém viu… Como diz Cora Ronai, a lama da Vale não está só nas barragens

4 – Carolina – Marco Aurélio indica, de novo, que mandará pedido de Flávio Bolsonaro para suspender investigação do Ministério Público na Alerj para primeira instância no Rio

5 – Haisem – Petista André Ceciliano se acerta com governo Wilson Witzel do Partido Novo e isola o PSL, que ficou falando sozinho na disputa pela presidência da Alerj

6 – Carolina – Renan ganha a parada no MDB e manutenção de candidaturas sem chance tornam o pistoleiro de Murici favorito à presidência do Senado assim como o chileno do Leblon Rodrigo Maia se assegura na da Câmara

SONORA_SIMONE TEBET 0102

7 – João Octávio de Noronha, do STJ, manda soltar Beto Richa

8 – União Europeia não reconhece Guaidó como presidente e indica grupo para procurar solução para Venezuela