Amor entre escombros
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Amor entre escombros

Obra de cinema e de literatura, clássico de Resnais ressuscita na tela equipe talentosa e já morta

José Nêumanne

16 Março 2017 | 17h23

Okada e Riva, mortos, voltam às telas em clássico de Resnais Foto Cocinor/Reprodução

Riva e Okada, já mortos, ressuscitam nas telas no clássico de Resnais Foto Cocinor/Reprodução

Mestre Merten escreveu no Caderno 2:”Em 27 de janeiro, aos 89 anos, morreu Emmanuelle Riva. Antes dela se foram os compositores Giovanni Fusco (em 1968) e Georges Delerue (em 1992), o ator Eiji Okada (em 1995), a escritora Marguerite Duras (em 1996), os diretores de fotografia Michio Takahashi (em 1965) e Sacha Vierny (em 2001), o montador Henri Colpi (em 2006) e o diretor Alain Resnais (em 2014). Em 1958, todos esses talentos que agora pertencem à eternidade se uniram para realizar uma obra-prima”. Hiroshima, Meu Amor reestreou na quinta, 9, em versão restaurada e fica em cartaz até quarta 22 nos cines Caixa Belas Artes, às 14h30, e Espaço Itaú Augusta, às 18h.

(Comentário no Direto da Moviola no Estadão no Ar da Rádio Estadão, na quinta-feira 16 de março de 2017, às 7h56m)

Para ouvir clique aqui e, aberto o site Estação  Nêumanne, no ícone play