Alvo é combate à corrupção

Hackeamento de celulares de desembargadores, juízes e procuradores federais que combatem corrupção não é feito por acaso, mas plano milionário executado por muita gente bem treinada e de forma a dificultar investigação policial

José Nêumanne

14 de junho de 2019 | 21h28

Em entrevista a Fausto Macedo e Ricardo Brandt, do Estadão, Moro disse que “estamos diante de um crime em andamento” sobre caso do hackeamento de celulares. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Hackeamento do aplicativo russo Telegram nos celulares de Sérgio Moro e Deltan Dallagnol fez parte de um projeto maior de garantia de impunidade de bandidos do colarinho branco e do crime organizado chantageando e tentando desmoralizar agentes da lei que os incomodam.

Para ver meu comentário no Jornal da Gazeta de 14 de junho de 2019, às 19 horas, clique aqui

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.