As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Abuso é lei contra abuso

Moro reuniu-se com Bolsonaro para indicar 9 itens da Lei Contra Abuso de Autoridade a serem vetados, mas Dodge é que tem razão, advertindo que a própria lei pode tornar-se um abuso que pretende reprimir

José Nêumanne

19 de agosto de 2019 | 22h41

Enquanto Bolsonaro e até Moro contemporizaram com a tal lei contra abuso de autoridade, Dodge definiu com precisão: “a própria lei pode se tornar um abuso”. Foto: Dida Sampaio

Moro foi a Bolsonaro indicar nove vetos a serem feitos pelo presidente na lei dita contra abuso de autoridade. Vacilou. O correto de um presidente que teve 57 milhões e mais de 600 mil votos se comprometendo a ser implacável com a corrupção e o crime organizado seria vetar o texto todo. Pois tem razão a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que disse que a lei que se propõe a ir contra abuso de autoridade é que é maior abuso de suspeitos, acusados e condenados do Congresso. O resto é papo furado.

Tendências: