A voz da morta
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A voz da morta

Se assassinos de Marielle Franco apontados pela polícia foram mesmo contratados para matá-la, eventual intenção de mandantes falhou, pois a voz da vereadora morta ecoa mais do que em vida

José Nêumanne

13 de março de 2019 | 11h16

Ao lado do delegado Lages, governador Witzel diz que será caso de delação premiada de executantes para chegar a mandantes. Foto: Marcelo Sayão/EFE

Ainda não se sabe quem mandou matar Marielle Franco, segundo passo da investigação da operação que reúne a polícia civil e o Ministério Público do Rio, que garantem terem encontrado e prendido os executantes da execução dela e do motorista Anderson Gomes, o sargento reformado da PM Ronnie Lessa e o ex-PM expulso Élcio Queiroz. Mas, se houve mesmo mandante, o que ainda é dúvida, a esta altura ele deve estar sabendo que, se sua pretensão foi calar a militante dos direitos humanos e vereadora pelo PSOL, esse cruel objetivo não foi alcançado, pois hoje a voz da morta ecoa muito mais do que quando era viva, revelando poder de fogo e vida confortável de ex-PMs que viram bandidos.

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

 

Assuntos para comentário da quarta-feira 13 de março de 2019

1 – Haisem – Quais são os perfis dos policiais militares e ex-militares que foram presos ontem pela policia civil do Rio pela execução de Marielle Franco e Anderson Gomes?

SONORA_GINITON C

2 – Carolina – Preocupa a informação de que o resultado da investigação deste crime brutal foi antecipado por que vazou a informação a respeito disso?

3 – Haisem – O que levou o presidente Bolsonaro a afirmar que o crime deve ter mandante e o governador Wilson Witzel prever a possibilidade de delação premiada dos presos?

SONORA_BOLSONARO 1303 A

4 – Carolina – O presidente da República também disse que gostaria de saber quem mandou Adélio matá-lo. É uma pergunta capital e certamente o laudo entregue pela defesa à Justiça hoje não a responde em nada

5 – Haisem – Por que o ministro da Educação, Vélez Rodríguez, demitiu o número 2 de sua gestão, Luiz Antônio Tozi. Será que agora as coisas andam na pasta, que é de alta relevância para o Brasil

6 – Carolina – A decisão do STF sobre a competência da Justiça Federal ou da Eleitoral em casos que digam respeito a eleições é importante como reclamam os procuradores ou irrelevante como disse o relator, Marco Aurélio Mello

7 – Haisem – Qual sua expectativa sobre outra discussão importante no STF, ou seja, aquela que reduz os prazos de prescrição dos crimes, também capaz de afetar o combate à corrupção no Brasil

8 – Carolina – Por que o Supremo Tribunal Federal bloqueou 1,6 milhões dos bens de Aécio e de sua irmã Andréa Neves, relativos a propina delatada pelos executivos da JBS