“A vida é dura, senador!”

“A vida é dura, senador!”

Caiado compara Dilma com presidiário que sempre se diz inocente

José Nêumanne

31 de agosto de 2016 | 09h59

Dilma com Renan e Lewandowski

Dilma com Renan e Lewandowski no Senado

O senador Ronaldo Caiado definiu a declaração de Dilma Rousseff de que sua condenação pelo Senado seria um golpe contra a democracia brasileira, mas, se ela fosse absolvida, o Senado teria ajudado a essa mesma democracia, como a atitude de uma ré que se pretende juíza de seus juízes. Mais dura ainda foi a constatação dele de que qualquer visitante de um presídio ouvirá de todos os presidiários ali recolhidos que são inocentes e injustiçados, como ela tem feito. Dilma desabafou ao senador Cássio Cunha Lima, ao fim de sua resposta no interrogatório durante a defesa, “a vida é dura, senador”. É mesmo! Mais dura é a vida dos 22 milhões de expulsos do mercado formal do trabalho.

(Comentário no Estadão no Ar na Rádio Estadão – FM 92,9 – na quarta-feira 31 de agosto de 2016, às 7h15m)

Para ouvir clique aqui e, aberto o site da emissora, 2 vezes no play sob o anúncio em azul

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.