A promiscuidade foi à posse

A promiscuidade foi à posse

Réu e pregador do falso golpe desprestigiarm posse de Cármen Lúcia no STF

José Nêumanne

13 de setembro de 2016 | 09h35

 

Lula entre Pimentel e Sarney no STF

Lula entre Pimentel e Sarney na  posse de Cármen no STF

A ministra Cármen Lúcia inova positivamente ao saudar, antes das autoridades, a fonte do poder de todos, o cidadão, mas não consegue livrar-se em sua posse na presidência do STF dos velhos vícios da promiscuidade leniente, que domina o ambiente na Capital Federal, ao sentir-se obrigada a convidar Lula, ex-presidente que a nomeou, embora ele protagonize hoje investigações criminais por vários delitos em muitas varas da Justiça. E também ao esquecer que Caetano Veloso, que cantou o Hino Nacional, foi usado como inocente inútil na propagação da falsa hipótese de que a Justiça, que ela agora comanda, foi cúmplice do falso golpe de Estado que depôs Dilma.

Ar da Rádio Estadão – FM 92,9 – da terça-feira 13 de setembro de 2016, às 7h17m)

Para ouvir clique aqui e, aberto o site da emissora, 2 vezes no play sob o anúncio em azul

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.