A ocupação do ENEM pela direita estúpida

Cúpula do MEC tentou incluir profissionais com notória profissão de fé de extrema-direita bolsonarista que não haviam sido aprovados em processo seletivo preliminar para redação do ENEM, mas recuou

José Nêumanne

19 de novembro de 2021 | 16h00

Ministério da Educação tentou incluir 22 professores comprometidos com ideário de extrena =-direita criacionista e bolsonarista na preparação do ENEM, a cargo Inep. Foto: Andre Lessa/Estadão

O Ministério da Educação (MEC) tentou incluir profissionais na montagem do ENEM deste ano que não haviam sido aprovados em processo seletivo para colaboradores da prova. A lista com 22 nomes, obtida pelo Estadão, incluía defensores do desgoverno Bolsonaro, uma professora de Biologia criacionista e quatro docentes ligados à Universidade Mackenzie, de onde veio o ministro Milton Ribeiro. O ENEM foi criado no governo Fernando Henrique com a intenção de avaliar o nível do ensino médio, sempre desprezado na instrução pública brasileira, mas ao longo dos anos tornou-se substituto do vestibular para a universidade. Agora o desgoverno Bolsonaro quer fazer dele um cavalo de batalha pseudo-ideológico com a narrativa para por fim ao domínio da esquerda. O resultado é que a educação vai de pior a pior.

Para ouvir comentário clique aqui e, em seguida, no play

Assuntos para comentário da sexta-feira 19 de novembro de 2021

1 – Haisem – MEC tentou inserir grupo não habilitado para elaborar provas – Este é o título de chamada na primeira página da edição impressa do Estadão de 19 de novembro de 2021. A que conclusões é possível chegar depois de tomar conhecimento dessa iniciativa do Ministério da Educação de interferir no conteúdo do Exame Nacional do Ensino Médio

2 – Carolina – Amazônia registra maior índice de desmate em 15 anos – Esta é a manchete de primeira página do jornal desta sexta-feira. De que adianta o Brasil ter levado a segunda maior comitiva ao COP26 em Glasgow se a realidade aqui é essa, constada por notícia tão absurda

3 – Haisem – Inéditas, prévias dão visibilidade ao PSDB, mas dividem o partido – Este é o título de outra chamada de primeira página do Estadão de hoje. Quais serão as consequências dessa constatação no êxito eventual de uma terceira via a ser contraposta à polarização entre Lula e Bolsonaro na disputa eleitoral de 2022

4 – Carolina – Bolsonaro, Lula e Ciro disputam a transposição – Esta é a manchete da página A12 da Editoria Política do jornal do dia. Qual é, afinal, a importância de saber de quem é a obra que leva as águas do rio São Francisco ao sertão do Nordeste na disputa por votos para presidente no ano que vem

5 – Haisem – Com pandemia de covid, Brasil tem 14,9% de aumento de mortes em 2020 – Este é o título de reportagem publicada no Estadão. O que há a registrar sobre os dados revelados pelo IBGE sobre óbitos, casamentos e nascimentos no primeiro ano da pandemia com o contágio do novo coronavírus

6 – Carolina – A história de um grande contador de histórias – Este é o o titulo de uma chamada no alto da primeira página do jornal. O que há a contar sobre a vida de Rolando Boldrin, que chega aos 85 anos de idade cantando e contando causos do Brasil.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.