As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A insensata caravana midiática

Bolsonaro leva industriais que recebia em audiência para Toffoli ouvir sua reivindicação de permitir que cidadão vá à rua mesmo com risco de ser contiagiado pelo novo coronavírus e provocar colapso do SUS

José Nêumanne

08 de maio de 2020 | 19h22

Após atravessar a Praça dos 3 Poderes real e simbolicamente, Bolsonaro invadiu gabinete de Toffoli no STF com industriais, ministros e filho para pressioná-lo a liberar sua ideia polêmica contra isolamento social. Foto:Jair Bolsonaro/Facebook

Caravana para o STF na quinta-feira 7 lembra  marchas em que Mao assumiu o comando dos comunistas e começou a tomar o poder na China e em que Mussolini instalou a ditadura fascista na Itália. Tudo foi uma encenação midiática, transmitida ao vivo por redes sociais e baseada em mentiras, tais como a de que as associações de empresários presentes representavam 45% do PIB e a indústria estava se recuperando antes da pandemia. É verdade que piorou muito, mas antes nada tinha melhorado. Nela, empresários e Bolsonaro não se referiram à pandemia que tinha chegado na ocasião a 9 mil mortes no País, repetindo a tragédia da grande fome sob Stalin na URSS e dando a Toffoli, que teve gabinete invadido, chance de lhe passar um troco lembrando ao presidente que ele é quem deve comandar o País no combate à convid-19.

Para ouvir comentário clique aqui e, em seguida, no play

Para ouvir no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique no link abaixo:

Assuntos para comentário na sexta-feira 8 de maio de 2020:

1 – Haisem – Bolsonaro faz caravana ao STF em pressão contra o isolamento – é a manchete do Estadão hoje. Você encontrou alguma razão de interesse público, além da óbvia descortesia social mínima do presidente da República invadindo a casa de seu amigo e presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, com convidados inesperados

2 – Carolina – Você acha que o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, reagiu à altura à falta de educação de Jair Bolsonaro ou deveria ter tomado atitude mais drástica

SONORA TOFFOLI 0805 B

3 – Haisem – Uma reunião ministerial com ameaça e palavrões – este é o título de uma chamada no alto da primeira página do Estadão hoje a respeito da reunião do governo citada como prova de suas acusações contra o presidente Bolsonaro pelo ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro. O que há a dizer sobre essa notícia

4 – Carolina – Você se surpreendeu com a entrevista da secretária da Cultura, Regina Duarte, minimizando a tortura e mortes na ditadura e justificando seu silêncio sobre mortos ilustres das artes em sua gestão

5 – Haisem – 5 – Haisem – Qual a importância da notícia do indiciamento pela Polícia Federal do deputado Aécio Neves, do PSDB, por superfaturamento na Cidade Administrativa de Minas Gerais

6 – Carolina – Você quer comentar a eventual antecipação de voto do presidente do Superior Tribunal de Justiça, João Otávio de Noronha, sobre o sigilo mantido pelo presidente da República sobre os verdadeiros resultados de seus testes de contágio da covid-19

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.