As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A hora e a vez do Congresso

Chefe do Executivo por delegação do eleitor apto a votar, Bolsonaro entregou ao Congresso Plano Guedes, que propõe emendas constitucionais para porem fim à servidão da cidadania à República dos Corruptos

José Nêumanne

06 de novembro de 2019 | 12h27

Ao entregar Plano Guedes ao Congresso, Bolsonaro cumpriu seu dever de presidente cidadão, falta Legislativo, presidido por Alcolumbre, mostrar que representa mesmo o povo. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Ao entregarem ao presidente do Congresso, Davi Alcolumbre, três projetos de emenda constitucional que mudarão radicalmente o perfil de gastos da máquina pública federal, o presidente Jair Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes sugeriram a mais radical reforma administrativa da História da República. Para que ela se transforme no atestado de maioridade do cidadão que deixaria de ser, como é agora, mero servo da aristocracia cleptocrata no poder, que se diz representante do povo, será necessário que o Congresso, mesmo que a desfigure, não a estraçalhe, os brasileiros adquirirão o controle do próprio bolso. Já é um grande avanço e confesso que não esperava comemorá-lo, como o faço agora, mesmo desconfiando que os parlamentares continuarão escravos dos próprios interesses.

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

 

 

Assuntos para comentário da quarta 6 de novembro de 2019

 

1 – Haisem – Proposta de Guedes muda lógica dos gastos públicos – esta é a manchete do Estadão de hoje. Este pacote de mudanças constitucionais, já tido como a maior revolução na administração pública no Brasil, tem alguma chance de passar no Congresso

EXPRESSO_GUEDES 0511

2 – Carolina – Guedes prevê a extinção de municípios no pacote de ajustes. Esta é a manchete da página 4 da Editoria do Estadão de hoje. O que você acha da proposta do governo e ela seria, a seu ver, viável

3 – Haisem – Por que, a seu ver, sindicatos ameaçam ir à Justiça contra o leilão do pré-sal previsto para hoje

4 – Carolina – Qual é a lógica do Supremo Tribunal Federal de não atender ao apelo dos 41 senadores que foram ontem ao presidente Dias Toffoli pedir a manutenção da jurisprudência da prisão após segunda instância, e, sim, ao pedido do PCdoB para derrubá-lo

5 – Haisem – Você entende e pode explicar por que a Polícia Federal pediu ao relator da Operação Lava Jato no STF, ministro Edson Fachin, a prisão de Dilma e Mantega, mas ele negou

6 – Carolina – Quais são as possibilidades, segundo seus cálculos, de desta vez o senador Renan Calheiros vir mesmo a ser, de alguma forma, punido no mais recente dos muitos processos a que responde no STF

7 – Carolina – O que você acha desta grande movimentação para criminalizar reação do general Augusto Heleno e declaração do deputado Eduardo Bolsonaro que, de alguma forma, remetem à ditadura militar

8 – Carolina – Você aprova a mudança da disputa do jogo final da Libertadores Conmebol entre Flamengo e River Plate de Santiago para Lima

Tendências: