A festa do Lula livre virou velório

Gilmal Mendes convidou seis petistas dos mais altos escalões para comemorarem na Segunda Turma do STF a libertação do chefão Lula, que tinham como favas contadas, mas decano terminou votando contra

José Nêumanne

26 de junho de 2019 | 20h18

 

Fazendo dobradinha com defesa do petista, Gilmarl convidou petistas para sessão que tinha sido desmarcada, mas iria, enfim, soltá-lo, e o resultado é que réu vai ter de esperar pelo menos até agosto. Foto: Leonardo Benassato/Reuters

Estava tudo combinado com o ministro Gilmar Mendes, que avisou aos petistas José Eduardo Martins Cardozo, Jaques Wagner, Paulo Pimenta, Paulo Teixeira, João Paulo e Humberto Costa que haveria a sessão da Segunda Turma do STF que tinha sido cancelada. Mas a festa preparada para comemorar o Lula livre virou mesmo foi um velório. Agora resta contar com as bombas do Intercept. Será que virão?

Para ver o comentário no Jornal da Gazeta na quarta-feira 26 de junho de 2019, às 19 horas, clique aqui

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.