A calma contra a fúria

A calma contra a fúria

PT chama Brasil pra briga no julgamento final do impeachment de Dilma

José Nêumanne

26 de agosto de 2016 | 10h05

Testemunha tratado como réu

Procurador e testemunha tratado como réu

Tentativa de desqualificar o procurador de contas Júlio Marcelo de Oliveira feita por José Eduardo Martins Cardozo mostra que PT, que comemorou com entusiasmo o rebaixamento dele da condição de testemunha à de informante, assemelha-se, conforme o líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima, a time que festeja gol no último segundo, quando já perdia por 10 a 0. O contraste entre os depoimentos calmos e arrasadores tanto da primeira quanto da segunda testemunha no processo de impeachment de Dilma no Senado, o auditor Antônio Carlos Costa D’Ávila Carvalho, e o estilo agressivo e furioso de Cardozo marcou a primeira sessão.

(Comentário no Estadão no Ar da Rádio Estadão – FM 92,9 – na sexta-feira 26 de agosto de 2016, às 7h15m)

Para ouvir clique aqui e, aberto o site da emissora, 2 vezes no play sob o anúncio em azul

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.