As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O diabo e o redemoinho

Magnífico texto de Guimarães Rosa em Grande Sertão: Veredas resumo em estilo elegante nossa atual crise.

José Nêumanne

29 de março de 2016 | 13h13

De vez em quando abro Grande Sertão ao acaso e leio uma página qualquer. É sempre tão bonito. E também de uma precisão espantosa. Lendo o noticiário político hoje, lembrei-me da epígrafe do clássico. Localizei-a pelo Google e compartilho com você:

“O diabo, na rua, no meio do redemunho…” – Grande Sertão: Veredas

Redemoinho. Foto: Wikipedia. Autor: Jeff T. Alu

“Diadorim levantou o braço, bateu mão. Eu ia estugar, esporeei, queria um meio-galope, para logo alcançar os dois. Mas, aí, meu cavalo f’losofou: refugou baixo e refugou alto, se puxando para a beira da mão esquerda da estrada, por pouco não deu comigo no chão. E o que era que estava assombrando o animal, era uma folha seca esvoaçada, que sobre se viu quase nos olhos e nas orêlhas dele. Do vento. Do vento que  vinha, rodopiado. Redemoinho: o senhor sabe – a briga de ventos. O quando um esbarra com o outro, e se enrolam, o dôido espetáculo. A poeira subia, a dar que dava escuro, no alto, o ponto às voltas, folharada, e ramarêdo quebrado, no estalar de pios assovios, se torcendo turvo, esgarabulhando. Senti meu cavalo como meu corpo. Aquilo passou, embora, o ró-ró. A gente dava graças a Deus. Mas Diadorim e o Caçanje se estavam lá adiante, por me esperar chegar. – “Redemunho!” – o Caçanje falou, esconjurando. – “Vento que enviesa, que vinga da banda do mar…” – Diadorim disse. Mas o Caçanje não entendia que fosse: redemunho era d’Ele – do diabo. O demônio se vertia ali, dentro viajava. Estive dando risada. O demo! Digo ao senhor. Na hora, não ri? Pensei. O que pensei: o diabo, na rua, no meio do redemunho…Acho o mais terrível da minha vida, ditado nessas palavras, que o senhor não deve nunca de renovar. Mas, me escute. A gente vamos chegar lá. E até o Caçanje e o Diadorim se riram também. Aí, tocamos.” (p.262)

(bela edição do blog Refeitório Cultural de William Mendes)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: