Bolsonarista não suporta humor

Secom de Bolsonaro reproduz vídeo brega estrelado por secretário especial de Cultura, usa trilha sonora sem autorização do autor e compartilha insultos contra humorista que o parodiou, uma lambança geral

José Nêumanne

08 de setembro de 2020 | 21h35

Mário Frias estrelou filme cafona sobre heróis brasileiros para Dia da Pátria e chamou humorista Marcelo Adnet, que o parodiou de “bobão”, “garoto frouxo” e “palhaço decvadente”. Foto: Reprodução/YouTube

No Dia da Pátria, cuja comemoração foi sequestrada pelos bolsonaristas na frente do Palácio da Alvorada, onde os asseclas do presidente costumam reunir, Jair Bolsonaro recomendou a seus fiéis apoiadores o filmete brega produzido e interpretado pelo canastrão Mário Frias, secretário especial da Cultura, que usou trilha sonora sem autorizazção do autor, Omega, de Scott Buckleyu, e chamou o humorista Marcelo Adnet de “bobão”, “garoto frouxo” e “palhaço decadente”, que poderia ser declaração feita ante o espelho, mas ele mesmo nunca chegou a topo nenhum e, portanto, não poderia ter alcançado a decadencia. Apesar de agir de forma truculenta contra repórteres que o questionam sobre depósitos de Queiroz e Márcia para a primeira-dama, Michelle, e o colunista Hélio Schvartsman, da Folha, Sua Insolência não tem a tolerância do Getúlio Vargas, ditador que gargalhava a bandeiras despregadas das piadas dos musicais de Walter Pinto. Por isso, seu primogênito, Flávio, não tem a menor cerimônia de apelar para censura na justiça sobre acusações do MP/RJ, em vez de justificar os delitos de que é acusado. Direto ao assunto. Inté. E só a verdade nos salvará. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.