A FALCATRUA DE MORO

No dia em que Facebook e Twitter bloquearam contas de bolsonaristas radicais, estes desafiaram STF em contas e páginas alternativas em que também continuam assassinando reputação do ex-juiz no WhatsApp

José Nêumanne

27 de julho de 2020 | 20h50

Bolsonaristas fanáticos continuam fuzilando reputações ilibadas como a do ex-ministro da Justiça, apesar de Facebook e Twitter terem bloqueado contas e páginas deles. Foto: Gabriela Biló/Estadão

MORO ENVOLVIDO ATÉ O PESCOÇO EM FALCATRUA – Um amigo que tem funcionado como meu assessor jurídico, mas cuja identidade não posso revelar, pois ele ocupa cargo importante e a revelação poderia prejudicá-lo, recebeu num grupo de amigos uma mensagem encaminhada com o título acima em letras capitais. E me mandou a fake news para responder a uma pergunta que lhe fiz sobre a Adin que o AGU e o presidente Jair Bolsonaro encaminharam no sábado 25 ao STF contra o bloqueio de 16 contas e 12 páginas de bolsonaristas no Twitter e no Facebook por veicularem sórdidas mentiras sobre adversários tratados como inimigos. “Canalhice”, ele resumiu. E mais: os tais youtubers têm perfis privados e a AGU é uma repartição pública. Ao assiná-la, o presidente assume responsabilidade de chefe dos autores de mensagens que têm tudo para ser criminosas. Na prática, uma confissão. Direto ao assunto. Inté. E só a verdade nos salvará.

Para ver vídeo no YouTube clique aqui

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.