Um livro perigoso

Marcos Guterman

30 de abril de 2012 | 10h00

Um grupo chamado Verdadeira Religião quer distribuir, de graça, 25 milhões de exemplares do Corão a europeus que falam alemão. Até agora, só na Alemanha, foram entregues 300 mil cópias do livro sagrado do islamismo. Foi o bastante para deflagrar um escândalo no país, ao ponto de obrigar a editora a suspender a impressão, alegando “grande pressão pública”.

Segundo a Economist, o problema não é o livro, mas quem o está distribuindo: o Verdadeira Religião é salafista, uma ala fundamentalista do islã. Seu líder na Alemanha, o palestino Ibrahim Abu Nagie, chegou a ser processado em Colônia sob acusação de incitar violência contra cristãos e judeus.

Políticos democrata-cristãos acusam o Verdadeira Religião de defender o estabelecimento de um Estado teocrático e dizem que a distribuição do Corão afeta a “paz religiosa” na Alemanha. Mesmo muçulmanos, diz a Economist, acusam Nagie de querer “instrumentalizar” o Corão. “Onde está a liberdade religiosa? Onde está a democracia?”, queixou-se o Verdadeira Religião, explorando o fato de que o debate deixou de ser suas ideias fundamentalistas e passou a ser sobre seus direitos.

Como lembra a Economist, porém, um grupo chamado Gideons distribui 2.000 Bíblias por dia na Alemanha e ninguém reclama.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.