Sexo em nome da segurança nacional

Marcos Guterman

14 de outubro de 2010 | 00h01

Um estudo publicado em Israel pelo rabino Ari Schvat, intitulado “Sexo ilícito em nome da segurança nacional”, considera aceitável, do ponto de vista religioso, que espiãs israelenses façam sexo com inimigos do país se isso for útil em sua missão.

Os casos citados pelo rabino não se limitam aos tempos atuais, diz o Haaretz. Ele lembrou que a rainha Ester dormiu com o rei Xerxes, da Pérsia, para salvar os judeus.

As espiãs casadas, porém, devem se divorciar antes de partir para a missão. Depois, podem retomar o casamento.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.