Sexo anal, por Edir Macedo

Marcos Guterman

23 de fevereiro de 2010 | 19h07

O bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal, expressou em seu blog suas impressões a respeito de sexo anal. Vale a reprodução integral:

 “O ato conjugal trata do relacionamento sexual entre o marido e sua mulher. O que pode ou não nesse ato? A Bíblia não especifica como se deve fazê-lo. Apenas adverte quanto ao que é contrário à natureza (Romanos 1.26).

A meu ver, contrário à natureza significa tudo que distorce a harmonia entre Deus, o ser humano e a natureza.

No sexo anal, o reto é agredido com uma introdução estranha à sua natureza. Ele não está na função de receber, mas de expelir. Expelir o quê? Fezes, excremento ou cocô. As fezes são o lixo do corpo humano. Usar o ânus como objeto de prazer é o mesmo que degustar um belo jantar a dois no meio do lixão. Não faz sentido. É questão de higiene, de saúde e, sobretudo, de inteligência.

Entretanto, cada um é dono de seu próprio corpo e faz dele o que bem entender. Por isso, nos foi dado o livre arbítrio.

O cristão sabe que seu corpo é templo do Espírito de Deus. E como tal, não aceita submeter-se a nada contrário à natureza”.

 

Via Lauro Jardim

Mais conteúdo sobre:

Edir MacedoIgreja Universalsexo